Tamanho do texto

O dado faz parte da pesquisa #TwitterTóxico sobre violência e abuso contra mulheres na internet, realizada pela Anistia Internacional; confira resultados

Brasil Econômico

Twitter disse que discorda das conclusões da Anistia, já que não é capaz de eliminar o ódio e o preconceito da sociedade
shutterstock
Twitter disse que discorda das conclusões da Anistia, já que não é capaz de eliminar o ódio e o preconceito da sociedade

O portal internacional, The Guardian  , publicou os resultados de um relatório feito com 1,1 mil mulheres do Reino Unido. De acordo com a apuração, 78% delas não se sentem seguras em compartilhar suas opiniões no Twitter, porque consideram a rede social uma plataforma que não está disposta a protegê-las de ataques e abusos misóginos . O dado faz parte da pesquisa #TwitterTóxico: Violência e abuso contra mulheres na internet .

Leia também: Apple estaria produzindo telas MicroLED para ter independência de concorrente

Segundo a Anistia Internacional, organização não governamental que defende os direitos humanos e responsável pelo estudo, o Twitter respondeu de maneira inconsistente quando questionado sobre quais medidas têm adotado para proteger as mulheres de abusos e violências online.

Com isso, o grupo acusou a rede social de desrespeitar os direitos das mulheres e o resultado disso, de acordo com a Anistia, foi diversas ameaças de morte, estupro, além de ataques racistas, transfóbicos e homofóbicos contra mulheres.

Em entrevista ao portal internacional, a diretora da Anistia Internacional do Reino Unido, Kate Allen, comentou que o Twitter é um lugar tóxico para mulheres , já que a plataforma é um espaço em que elas podem ser facilmente atacadas por simplesmente serem mulheres.

Leia também: Versão do YouTube para crianças sugere vídeos com teorias da conspiração

“O Twitter deve tomar medidas concretas para abordar e prevenir a violência e o abuso contra as mulheres, caso contrário, sua reivindicação de estar do lado das mulheres não tem sentido”, aponta.

A Anistia ainda disse que, embora a rede social tenha se tornado palco de movimentos como “#MeToo” (“Eu também”, em tradução livre), hashtag utilizada para expor abusos sexuais, muitos usuários foram sofreram reações violentas com as postagens.

Leia tam também: Twitter deverá seguir Google e proibir anúncios de moedas como bitcoin

Outro lado

Em nota, o Twitter se posicionou dizendo que discorda das conclusões da Anistia Internacional, uma vez que a plataforma não é capaz de eliminar o ódio e o preconceito da sociedade. Além disso, a rede social informou que fez mais de 30 mudanças nos últimos 16 meses para melhorar a segurança de seus usuários, incluindo sobre tuítes abusivos. Mulheres, vocês se sentem seguras em expor suas opiniões na plataforma?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.