Brasil Econômico

undefined
Reprodução/Flickr
CEO da Cambridge Analytica, Alexander Nix, não quis comentar a informação de que a empresa será fechada

A Cambrigde Analytica vai encerrar suas operações. Segundo informações obtidas pelo jornal  The Wall Street Journal , a empresa responsável  por utilizar os dados de 87 milhões de usuários do Facebook para influenciar campanhas eleitorias como a do presidente Donald Trump, em 2016, vai fechar as portas.

Leia também: Twitter admite que vendeu dados a pesquisador ligado ao escândalo do Facebook

Em março, após a revelação do esquema de vazamento de dados , a empresa já tinha suspendido o CEO, Alexander Nix.  Agora o fundador do SCL Group, afiliado britânico da Cambridge Analytica, Nigel Oakes, confirmou ao jornal americano que ambas as empresas estão encerrando as operações.

Ainda segundo Nigel Oakes, a empresa decidiu fechar as portas porque estava perdendo clientes e aumentando seus gastos com advogados e processos judiciais cada vez maiores. Nesta quarta-feira (2), os funcionários que chegaram para trabalhar foram instruídos a entregar seus computadores.

Leia também: Zuckerberg pede desculpas ao Congresso americano e anuncia mudanças no Facebook

A empresa chegou a faturar US$ 15 milhões apenas com campanhas políticias de âmbito federal nas eleições americanas de 2016. A empresa também participou da campanha bem sucedida em favor da saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit, no ano de 2016 e estaria conversando com partidos políticos e candidatos brasileiros visando às eleições presidencias do Brasil nesse ano.

Desde que o escândalo com o Facebook foi revelado, no entanto, a Cambridge Analytica não conseguiu um único cliente político e perdeu diversos clientes comerciais que tinham contrato de longo prazo nos últimos meses. Sendo assim, a empresa não viu outra solução a não ser encerrar as operações. O CEO Alexander Nix ainda não quis comentar o assunto.

Leia também: Facebook envia mensagem às vítimas de vazamento de dados nesta segunda-feira

    Leia tudo sobre: Facebook

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários