Tamanho do texto

O Gboard também está testando a adição de filtros, legendas, adesivos e emojis para que o GIF fique ainda mais personalizado nas conversas na web

Brasil Econômico

Nos testes do Google, já é possível salvar o GIF produzido no Gboard
Reprodução/Android Police
Nos testes do Google, já é possível salvar o GIF produzido no Gboard

Alguns usuários de dispositivos Android já podem usar a criatividade para produzir GIFs personalizados e deixar as conversas por aplicativo e as postagens nas redes sociais muito mais descontraídas e animadas. De acordo com o portal internacional Android Police , o Google está testando a função no seu teclado virtual, o Gboard.

Leia também: "Pegadinha do Esquilo" trava WhatsApp e pode provocar danos no seu celular

Quem está com o recurso do Google disponível precisa apenas abrir o teclado e ir até a opção de “GIFs” e verificar a aba “My GIFs”, onde haverá um botão chamado “criar um GIF ”. Assim que o usuário clicar na função, o Gboard solicita o acesso à câmera frontal ou traseira do dispositivo para gravar um vídeo de até três segundos.

Além de oferecer a possibilidade de salvar o GIF produzido para que ele possa ser usado depois, em outra conversa pelo WhatsApp, Messenger ou post nas redes sociais, o Google também está testando a adição de filtros, legendas, adesivos e emojis para que o GIF fique ainda mais personalizado.

Leia também: Twitter descobre bug e pede que usuários mudem de senha "por precaução"

Mais mudanças do Google para seus usuários

 A versão mais recente do navegador Google Chrome chegou na última quinta-feira (3) com a opção de desativar esses vídeos pré-carregados para os usuários que não gostam nada dessa "surpresa" ao abrir a plataforma. 

A atualização do Chorme  estava sendo desenvolvida desde o ano passado e deve agradar também os usuários de dispositivos móveis, uma vez que a reprodução – muitas vezes indesejada – dessas mídias consome uma boa quantidade do pacote de dados de internet móvel.

De acordo com o  TechCrunch  , a reprodução automática apenas será permitida quando a mídia não incluir som ou quando o usuário indicar que está interessado nas reproduções audiovisuais de determinada plataforma.

Leia também: WhatsApp e Instagram vão permitir chamadas de vídeo em grupo, anuncia Zuckerberg

Nesse último caso, o chamado “interesse” é determinado por fatores como, se o usuário tiver reproduzido a mídia com frequência no site, se tiver clicado na tela de mídia durante a navegação no Google Chrome ou se tiver adicionado o site à tela inicial do celular.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.