Tamanho do texto

Pedido do SindiTeleBrasil que alertava sobre possibilidade de "falha geral" no sistema foi atendido pela Anatel e veículos de manutenção das empresas de manutenção serão abastecido por caminhões-tanques escoltados. Confira

Presidente da Anatel, Juarez Quadros, anunciou que frota de veículos das teles que realizam manutenção da rede móvel do país terão prioridades no abastecimento
Reprodução
Presidente da Anatel, Juarez Quadros, anunciou que frota de veículos das teles que realizam manutenção da rede móvel do país terão prioridades no abastecimento

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações ( Anatel) , Juarez Quadros, anunciou nesta terça-feira (29), durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que concedeu a prioridade para abastecimento de frota de veículos das empresas de telecomunicações atendendo à pedido feito pelo Sindicato Sindicato das Empresas de Telecomunicações do Brasil ( SindiTeleBrasil ) na tarde de ontem.

Leia também: Greve dos caminhoneiros pode derrubar até a internet no Brasil, entenda

A decisão garante que o combustível chegue aos veículos que realizam a manutenção das redes, de forma a proteger a operação de infraestrutura crítica de telecomunicações. O pedido ainda contempla a escola de caminhões-tanque até os reservatórios de abastecimento dos geradores usados nas centrais de telecomunicações usados em casos de falta de energia comercial.

Entenda o pedido do Sindicato

Os pedidos feito ontem pelo SindiTeleBrasil e enviados à Anatel na tarde de segunda-feira (28) alertavam para a possibilidade de uma falha grave, no pior dos cenário, ser capaz até de derrubar a rede móvel de internet e telefonia no país.

As teles pdiam para que a Anatel incluísse as operadoras no Decreto de Garantia da Lei e da Ordem de número 9.832, assinado pelo presidente Michel Temer no último dia 25 de maio. No decreto, as Forças Armadas estão autorizadas a atuar no desbloqueio das rodovidas para garantir o direito de ir e vir dos cidadãos, além de poder tomar "medidas de proteção para infraestrutura considerada crítica". O que era extamente o caso em que as operadores alegavam se enquadrar.

Leia também: Fique ligado! Novo golpe no WhatsApp promete lista de postos onde há combustível

As prestadoras informaram a Anatel que estavam com seus estoques de combustível praticamente zerados e que, se não fossem tomadas medidas emergenciais, os serviços de manutenção e reparo poderiam ser prejudicados. Isso poderia prejudicar não só o consumidor individual, mas também os serviços como hospitais, bombeiros, segurança pública, que poderão ter serviços de telefone, SMS e até de internet suspensos por eventuais falhas.

Elas queriam (e agora foram atendidas) que a Anatel incluísse as operadoras no Decreto de Garantia da Lei e da Ordem de número 9.832, assinado pelo presidente Michel Temer no último dia 25 de maio. No decreto, as Forças Armadas estão autorizadas a atuar no desbloqueio das rodovidas para garantir o direito de ir e vir dos cidadãos, além de poder tomar "medidas de proteção para infraestrutura considerada crítica".

Leia também: Temer tem poder para bloquear o WhatsApp? Boato sobre queda de app é falso; veja

O presidente da Anatel disse que "até o momento não houve nenhuma interrupção, mas houve a necessidade de mobilização para assegurar o transporte de combustível." Ele também afirmou que "estamos a postos, acompanhando todo o desdobramento do caso" e que a Anatel continuará atuando nos gabinetes de crise federal e estaduais até o fim da greve dos caminhoneiros e a completa normalização da situação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.