Tamanho do texto

Em relação às empresas, a Anatel divulgou que teve uma queda no número de clientes que afetou quase todas as prestadoras de serviço, com exceção da Oi, que cresceu 0,41%

1,3 milhão de cancelamentos arrow-options
Valter Campanato/ Agência Brasil
TVs por assinatura


A pesquisa do suplemento Tecnologias da Informação e Comunicação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua ( Pnad Contínua) divulgada em 2018 indicava motivos pelos quais famílias começavam a abandonar as TVs por assinatura. Desinteresse e preço eram alguns deles. 

Com isso, o cancelamento das assinaturas tem crescido nos últimos anos. A  Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou dados preocupados para as empresas na última terça-feira (3).

Leia também: 69% dos brasileiros já têm acesso à internet pelo celular, afirma IBGE

O Brasil possuía 16.538.988 domicílios com acesso à TV paga em julho deste ano, ou seja, 1.327.427 assinantes a mesmo comparado à quantidade do mesmo período do ano passado quando 17.866.415‬ residências tinham o serviço.  

No relatório divulgado, a Anatel classifica as empresas que mais tiveram cancelamentos. A Claro perdeu 8,52% dos assinantes, ou seja, 760.080 clientes, enquanto a Sky perdeu 235.695 assinantes, o que equivale a uma queda de 4,53%. Apenas a Oi não perdeu clientes. Ao contrário, cresceu 0,41%, com acréscimo de 6.383 clientes a mais do que no mês anterior.

Leia também: Cada vez mais obsoletas, operadoras de TV paga agonizam no Brasil

Em SP

Já em relação às regiões, São Paulo é o estado que tem o maior número de assinantes da TV paga, com 6.153.801 contratos. Roraima, por outro lado, apresenta o menor número de assinaturas, com 16.045 contratos no último mês de julho. 


Os dados ainda revelam o ranking das fornecedoras de TV por assinatura.  A Claro (NET) detém 49,34% do mercado (8.160.838 assinantes), seguida pela Sky com 30,04% do mercado (4.968.445 assinantes). A Oi ocupa o terceiro lugar no mercado com 1.572.433 contratos (9,50% do mercado) e por último a Vivo com 1.434.641 contratos (8,67%).