Tamanho do texto

Pesquisa revela que maioria dos jovens entre 18 e 24 anos gastam seu tempo de lazer na internet, o que influencia seus comportamentos on-line e off-line

jovem celular arrow-options
Unsplash/Luke Porter
Jovens passam o tempo de lazer navegando na internet


Uma pesquisa revelou que navegar na internet é a principal atividade de lazer de 54% dos jovens brasileiros entre 18 e 24 anos, conhecidos como geração Z .

Depois de navegar na internet, as atividades mais frequentes são ouvir música (53%) e assistir filmes, seriados, novelas e programas em geral (51%).

O estudo, realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), mostrou, ainda, a influência da conectividade na vida desses jovens. 

Leia também: Jovens chineses só poderão jogar games online por 90 minutos diários

A preocupação com a aparência física e a autoimagem foi bastante mencionada na pesquisa: 92% dos jovens disseram que tomam alguma atitude para ficarem mais bonitos e se sentirem bem e confiantes. Essa preocupação pode estar associada à importância que a aparência física tem no universo digital

José César da Costa, presidente da CNDL, afirma que o grau de exposição online é muito elevado, o que gera uma tendência à preocupação com a imagem.

“Esses jovens estão sempre conectados e as redes sociais são extensões de sua personalidade. São pessoas cuja trajetória de vida é acompanhada de perto em postagens públicas de vídeos e fotos nas redes sociais, onde percebe-se que há uma atenção no cuidado com a própria imagem”, disse o presidente em nota à imprensa. 

O poder da influência

Outro aspecto bastante afetado pelo grande tempo que os jovens passam online é a questão da influência , sobretudo quando o assunto são as compras. No estudo, as pessoas da geração Z mostraram que valorizam as experiências de outros consumidores antes de efetuarem uma compra. 

Leia também: Instagram remove filtros de 'cirurgia plástica' da rede social

Para 32% deles, o depoimento de outros usuários é o principal fator de influência , enquanto as indicações de amigos aparecerem em 21% das respostas. Especialistas e profissionais influenciam 18% dos jovens em suas compras, enquanto as famílias têm influência sobre 17% deles.

“As opiniões desses jovens viralizam rapidamente e podem influenciar muito a decisão de outros clientes e potenciais consumidores . Além disso, a Geração Z está acostumada a buscar informações sobre aquilo que quer, seja por meio de amigos ou de outros usuários e consumidores que compartilham opiniões e vivências reais nas redes sociais”, afirmou Costa. 

Apesar do online, offline ainda serve para informar

Apesar da alta conectividade dos jovens mostrada pela pesquisa, quando o assunto são meios de comunicação, o online ainda se equilibra com o offline . Quando perguntados sobre os meios que mais utilizam para assistir, ler e ouvir, 77% mencionaram modalidades offline, enquanto 68% citaram mídias online. 

Leia também: Conheça o TikTok, aplicativo que bateu o WhatsApp em número de downloads

Dentre as offline, a TV aberta liderou o ranking (48%), seguida da TV por assinatura (36%) e do Rádio (24%). Já nas mídias online, quem mais foi citado foram os portais na internet (66%), seguidos dos podcasts (11%).