eleições propaganda política google ads
shutterstock
Entenda porque você vê tanta propaganda política no celular

Você está navegando em um site e, de repente, ela aparece. Está esperando para ganhar novas vidas em um jogo de celular ou mexendo em um aplicativo e lá está ela. A propaganda eleitoral está em todos os cantos da internet , não dando moleza até para quem quer se alienar da política. Mas, afinal, por que isso acontece?

A resposta mais simples para essa pergunta tem apenas duas palavras: Google Ads , também conhecido por Google AdWords. Os anúncios do Google são responsáveis por propagandas que aparecem no resultado das buscas, bem como por aquelas que aparecem em grande parte dos sites, portais de notícias, aplicativos e jogos para celular. 

Por que os políticos anunciam na internet?

Fabio Leandro de Andrade trabalha com marketing político e é diretor geral da Agência Kapta, e explica que os anúncios na internet , sobretudo os do Google, são a opção escolhida por muito políticos atualmente. 

“Não somente o Google AdWords mas, na verdade, todos os anúncios pagos são muito utilizados pelos políticos. O mais importante de tudo é que é muito barato. O CPM, que é o custo por mil, de um anúncio no Google é muito mais baixo do que qualquer outro anúncio de rádio, impresso no jornal ou panfleto”, explica. 

Além do baixo custo, Fabio explica que a opção pelos anúncios na internet acontecem porque, com eles, é possível entregar as propagandas para públicos muito específicos . Se nas mídias mais velhas, como TV, rádio e jornal, pessoas de todos os tipos recebiam os anúncios, com a internet , cada usuário vê aquilo que vai ser do seu interesse. 

“O mais importante em uma campanha política, com o advento da internet, é poder entregar a informação certa sempre para o público certo”, diz o especialista.

Na internet, nada é por acaso

Com resultados bons e baixo custo, os anúncios políticos acabam se alastrando na internet. E é por isso que esbarramos com eles em quase todos os sites, jogos e aplicativos que navegamos. É importante saber, porém, que nada é por acaso. 

Se você está jogando um game para celular e recebe um anúncio, talvez o político em questão não tenha escolhido aparecer naquele jogo em específico. Mas uma coisa é fato: ele escolheu aparecer para você.

“Há sempre uma estratégia por trás dos anúncios. Os políticos vão fazer os anúncios direcionados ao público deles”, esclarece Fabio. “Tudo é muito segmentado e direcionado. Se eu estou falando, por exemplo, sobre o idoso, eu vou buscar, dentro do Google Ads , uma maneira de somente entregar esse anúncio para pessoas acima de 50 anos. Quando você vê um anúncio em um jogo é porque, obviamente, aquele anúncio foi segmentado para uma classe ou faixa etária específica”, continua. 

Dentro da plataforma do Google Ads, os anunciantes - nesse caso, os políticos -  podem escolher por diversos segmentos. Fabio conta que é possível decidir diversas questões sobre o público a receber a propaganda , como idade, sexo, religião e interesses.

O gosto de cada um refletido na política

Com os dados que os usuários distribuem online, como cliques e tempo que permanecem em páginas, por exemplo, o Google consegue traçar um perfil de consumo de cada pessoa. Isso é usado justamente para direcionar anúncios. 

Se você procura no Google por um fogão, propagandas do eletrodoméstico vão te perseguir nas redes sociais. O mesmo acontece com as propagandas políticas : se a inteligência artificial do Google entende que você gosta de esportes, por exemplo, você provavelmente vai receber anúncios de políticos que têm nos esportes suas principais pautas.

Isso é ótimo para quem anuncia, porque consegue atingir exatamente quem está mais propício a votar por determinado tipo de pauta. De acordo com Fabio, essa segmentação foi ficando ainda mais precisa com o passar dos anos e, hoje, é possível anunciar sobre assuntos muito específicos - e encontrar públicos que se identifiquem com eles. “Atualmente, você consegue segmentar até para um salão de beleza só de sobrancelha, porque existe segmento para tudo”, exemplifica Fabio.

Do lado da política , ele explica que é muito mais importante entregar para as pessoas certas do que para muita gente, como era feito antigamente. E não há forma melhor de encontrar essas pessoas específicas do que com a internet . “O grupo da padaria, o grupo do futebol, o grupo da salão de beleza importam muito mais para o político do que grandes associações, como alguém que segue um clube de futebol”, afirma.

O que é bom para o político, porém, pode não ser exatamente bom para os eleitores ou para a política de modo geral. Do lado de quem recebe os anúncios, é comum que os usuários recebam apenas propaganda de políticos com pautas e posicionamentos parecidos com os próprios - o que pode acabar fortalecendo a polarização política e as discussões fechadas em bolhas com pensamentos similares.

    Veja Também

      Mostrar mais