Apps permitem que assediadores espionem suas vítimas
Unsplash/Chris Yang
Apps permitem que assediadores espionem suas vítimas

Aplicativos usados para espionar usuários podem revelar dados tanto das vítimas quanto dos espiões, de acordo com um relatório da empresa de cibersegurança ESET, divulgado nesta sexta-feira (21). De acordo com a empresa, as intalações dos apps espiões no Android aumentaram 48% em 2020.

Conhecido como stalkerware , esse tipo de aplicativo consegue monitorar a localização GPS do smartphone da vítima, conversas, imagens, histórico do navegador e outras informações. Tudo isso é armazenado e transmitido para o celular de quem está espionando. Os aplicativos são geralmente usados por pessoas próximas à vítima, como chefes ou maridos. Para instalar um stalkerware, é preciso que o assediador tenha acesso ao celular de quem será espionado.

"No mínimo, os aplicativos de stalkerware promovem um comportamento eticamente questionável, levando a maioria das soluções de segurança móvel a sinalizar esses aplicativos como indesejáveis ​​ou prejudiciais. Porém, tendo em vista que esses aplicativos acessam, coletam, armazenam e transmitem mais informações do que qualquer outro aplicativo instalado por suas vítimas, estávamos interessados ​​em saber o quão bem esses aplicativos protegiam uma quantidade tão grande de dados sigilosos", diz Lukas Stefanko, especialista da ESET.

A ESET analisou 86 aplicativos do tipo para Android e, em 58 deles, encontrou 158 problemas de segurança e privacidade . De acordo com a empresa, tanto dados das vítimas quanto dos assediadores são tratados incorretamente, podendo ser expostos. Além disso, falhas permitem que o invasor assuma o controle do celular da vítima, podendo inserir evidências falsas e incriminá-la por algum motivo.

"Esta pesquisa deve servir como um alerta para potenciais clientes desses tipos de aplicativos para reconsiderar o uso desses softwares para espionar seus cônjuges e entes queridos, uma vez que não só é antiético fazer isso, mas também pode levar à exposição privada e informações íntimas, colocando-os em risco de possíveis ataques cibernéticos e fraudes, tanto de quem é espionado quanto de quem espiona. Descobrimos que alguns desses stalkerwares salvam dados de stalkers usando o aplicativo e os dados que obtiveram de suas vítimas em um servidor, mesmo depois que os stalkers solicitaram a exclusão dos dados", afirma Lukas.

Você viu?

A ESET avisou as empresas que desenvolvem esses aplicativos a respeito das falhas encontradas mas, até o momento, apenas seis delas corrigiram os problemas. 44 não responderam, sete prometeram corrigir nas próximas atualizações e uma companhia disse que não vai resolver as falhas de privacidade .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários