YouTube
Tamires Ferreira
YouTube

Um levantamento feito a pedido do portal UOL aponta que os 14 canais do YouTube acusados pela Polícia Federal (PF) de propagar fake news podem ter faturado, juntos, R$ 15,4 milhões em um ano na plataforma.

Em 16 de agosto, o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) ordenou que o YouTube suspendesse os repasses monetizados a essas páginas. Os canais produziram 24 mil vídeos, atingindo 1,4 bilhão de visualizações. O levantamento foi feito pela Consultoria Quaest — especializada em pesquisas, mineração de dados e redes sociais.

Para chegar ao valor apontado, a consultoria descobriu o alcance dessas 14 páginas: 9,5 milhões de seguidores. No YouTube, a cada mil visualizações, o usuário pode receber entre US$ 25 centavos [R$ 1,30 na cotação atual] e US$ 4,50 [R$ 23].

De acordo com Felipe Nunes, diretor da Quaest e professor de ciências políticas da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), quanto mais um vídeo é visto, maior a chance de o valor crescer.

Um dos canais, "Agora é Manchete com Oswaldo Eustáquio", possui uma audiência suficiente para monetizar os vídeos em R$ 241, em um ano, segundo o levantamento. Ele afirmou ao UOL que "o Estado brasileiro, por meio do STF [Supremo Tribunal Federal], TRE [Tribunal Regional Eleitoral] e TSE, impediu por censura que eu recebesse esse valor" e que "durante esse período citado, meu canal esteve fora do ar".

Questionado pela reportagem, o YouTube não comentou os valores apurados pela consultoria, mas afirmou em nota que suspendeu os repasses e que possui o compromisso de contribuir com as autoridades do Brasil.

- Com informações do portal UOL.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários