Vladimir Putin, presidente da Rússia
Lance!
Vladimir Putin, presidente da Rússia

O Twitter anunciou que suspendeu toda a publicidade na Rússia e na Ucrânia, buscando garantir que as postagens promocionais não prejudiquem as informações de segurança pública enviadas pela rede social.

A empresa não exibirá publicidade nesses mercados e também e também restringirá as recomendações de tweets que aparecem nas linhas do tempo dos usuários de contas que eles ainda não seguem, em um esforço para limitar a disseminação de conteúdo enganoso e abusivo.

O Twitter disse anteriormente que estava “monitorando narrativas emergentes que violam as regras do Twitter” como parte de seu esforço para combater a inundação de conteúdo problemático online durante a guerra. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Facebook também age

O Facebook restringiu a atividade da mídia estatal russa em sua plataforma, que não poderá anunciar, nem ganhar dinheiro com suas atividades. A medida é uma reação à invasão da Ucrânia.

"Estamos proibindo os meios estatais russos de veicularem anúncios, ou de monetizarem em nossa plataforma em qualquer lugar do mundo", disse o diretor de política de segurança da rede social, Nathaniel Gleicher, no Twitter.

Leia Também

Segundo ele, a plataforma "continuará aplicando hashtags à mídia estatal russa".

O Serviço Federal de Supervisão de Meios de Comunicação na Rússia (Roskomnadzor) fez um alerta neste sábado de que  vai restringir o acesso de dez meios de comunicação do país caso compartilhem notícias fazendo referência à operação militar na Ucrânia como um "ataque, invasão ou declaração de guerra".

"Ontem, as autoridades russas nos ordenaram que parássemos de verificar e alertar sobre o conteúdo publicado por quatro meios de comunicação controlados pelo Estado russo", escreveu o vice-presidente da Meta, Nick Clegg.

"Recusamos. Como consequência, anunciaram que restringiriam o acesso aos nossos serviços", acrescentou.

O comunicado surgiu horas depois de o órgão regulador de mídia da Rússia informar que estava limitando o acesso ao Facebook, acusando o gigante americano de censura e violação dos direitos de seus cidadãos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários