PS5 havia sido banido por quebra de regras
Divulgação
PS5 havia sido banido por quebra de regras

Mais um dono de PS5 recorreu à Justiça para desbloquear o console banido pela Sony e conseguiu. Porém, na decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), o juiz responsável pelo caso não deu total razão ao autor do processo e disse que a conduta da Sony "não havia sido ilícita" — ou seja, a empresa estava em certo ponto amparada pela lei.

Assim como em outros casos de PS5 bloqueados, o jogador processou a Sony após ser banido da PlayStation Network (PSN) por compartilhar os jogos da PS Plus Collection com outras pessoas, em 2020. Segundo a empresa, isso viola os Termos e Condições do Serviço PlayStation, regulamento da plataforma aceito por todos os usuários.

O problema é que a Sony não costuma dar muitos detalhes sobre esse tipo de infração quando aplica uma punição, abrindo brecha para os jogadores acionarem o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Assim, a Justiça entende que a empresa deixou de dar informações necessárias, negando o direito de defesa da pessoa banida.

Além de exigir a reativação da conta do PS5, o autor do processo pediu indenização de R$ 10 mil em danos morais e mais R$ 5 mil, caso a Sony não obedecesse a ordem judicial. Em resposta, a empresa recorreu na ação para defender o banimento do console.

Sony tentou recorrer para não reativar o PS5 banido

Na petição inicial, o jogador alegou que não sabia que era proibido compartilhar contas da PSN com outras pessoas. Para ele, os jogos gratuitos da PS Plus Collection eram vinculados ao console e não à conta da PSN.

O autor do processo ainda disse que a Sony havia agido com má fé por "não destacar devidamente as cláusulas restritivas de direito com impacto grave no contrato de adesão".

Leia Também

Enquanto isso, segundo os advogados da Sony, o jogador havia compartilhado os jogos da PS Plus Collection por vontade própria de forma consciente, e não por acidente. Além disso, o autor do processo havia concordado com os temos da plataforma ao criar sua conta. Por isso, para a empresa, ele deveria ter sido punido por violar o regulamento do serviço.

Juiz do TJMG viu erros no depoimento do autor

Depois de ouvir as duas partes, o juiz Mauro Francisco Pittelli, do TJMG, decidiu que tanto o jogador quanto a Sony erraram. De acordo com Pittelli, a Sony poderia, sim, aplicar uma punição no usuário, já que o usuário não negou ter compartilhado os jogos da PS Plus Collection, violando os termos de uso da PSN.

O juiz ainda disse que o jogador não poderia alegar desconhecimento, pois havia concordado com o regulamento ao criar uma conta. Aliás, Pittelli destacou que as regras sobre o compartilhamento de jogos estavam em negrito, contradizendo o argumento do usuário banido. "Se não o leu adequadamente, ou não acreditou nas consequências do mau uso, é outra questão", comentou Pittelli na decisão judicial.

"O fato é que os consumidores, neste país, não estão acostumados a ler os termos, apenas clicam quando veem 'li e aceito os termos', e também raramente acreditam nas punições ou que tais fatos irregulares serão descobertos. Portanto, a punição é justa", determinou.

Juiz considerou a punição do jogador desproporcional

Por outro lado, Pittelli criticou a decisão da Sony de banir o jogador de forma permanente por ter compartilhado jogos. Para o juiz, a punição é desproporcional, em especial porque o PS5 também pode ser usado para outros fins além de jogar, como reproduzir blu-rays, acessar YouTube, Netflix e outros serviços de streaming.

Quando um PS5 é banido, o console fica inutilizável. "Assim, deixar o Autor com uma máquina inútil, a meu ver ofende o direito de propriedade, pois o Autor comprou e pagou pelo aparelho, para que ele lhe tivesse utilidade", disse Pittelli.

"Destarte, não resta dúvida de que o Autor deu causa às punições que sofreu. O fato é que a punição tal como aplicada se mostra desproporcional e ofensiva ao direito de propriedade. Ademais, a punição já atingiu seu objetivo, e já se passou cerca de um ano, prazo que se mostra razoável e proporcional para tal punição. Até o crime de homicídio qualificado tem punição por tempo certo", disse o juiz.

No final, Pittelli ordenou a reativação do console em até 15 dias — sob pena de multa única de R$ 10 mil — e o pagamento do valor de um PS5 novo. Por também ter considerado os erros do jogador banido, o juiz exigiu que ambas as partes pagassem as despesas processuais da ação. A ação foi encerrada e pode ser encontrada sob o número 5027508-48.2020.8.13.0145 no Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários