projeto
Divulgação
Fundo Periferia Empreendedora é criado pela Empreende Aí, Firgun, e Impact Hub










O coronavírus é democrático e global : se espalha com rapidez e eficiência por todo o mundo e para qualquer pessoa, causando os mais diversos efeitos colaterais. Mas o desafio é bem maior para quem está nas periferias. 

Com o intuito de combater a doença muito além do sentido físico, iniciativas de suporte a grupos mais vulneráveis estão sendo feitas para ajudar quem mais precisa em meio à crise.

A Empreende Aí, escola de negócios da periferia para a periferia, juntamente com a Firgun, plataforma de empréstimo coletivo, e a Impact Hub, organização conectada a uma rede global de empreendedores, estão criando um fundo emergencial de crédito para apoiar os pequenos e micronegócios que estão sendo severamente afetados pela Covid-19.

A partir do próximo dia 17, os empreendedores vão poder se cadastrar por meio de uma plataforma desenvolvida pelos organizadores e que será divulgada  nas redes sociais

Confira:  Auxílio de R$ 600 deve ser pago nesta a pelo menos 10 milhões de pessoas

O fundo é constituído por doações de empresas, fundações, ONGs e institutos, entre eles a Fundação Casas Bahia, interessados em socorrer os microempreendedores que atuam em bairros da periferia. Os alvos são comércios como salão de beleza, barbearia, alimentação, oficina de costura e reforma, buffet de festa, entre outros. Muitos já pararam de vender desde a primeira semana de isolamento, e precisam de recursos urgentemente para as suas despesas básicas. 

"Esses empreendedores são mais vulneráveis ao impacto da paralisação econômica provocada pelo coronavírus, pois eles não têm reserva de emergência nem capital de giro e têm mais dificuldade em acessar as linhas de crédito tradicionais", explica Fabio Takara, o fundador da Firgun.

"Temos um histórico de parceria com a Empreende Aí e, nesse momento muito crítico para a sociedade em geral, especialmente comunidades mais carentes, nós fazemos questão de ajudar para que os empreendedores sejam impactados o menos possível e possam seguir com seus negócios”, afirma Helio Muniz, diretor de Comunicação Corporativa, Sustentabilidade e Diversidade e Relações Institucionais, responsável pela Fundação Casas Bahia. 

A meta de captação do fundo é de R$ 500 mil , suficiente para atender até 200 microempreendedores , que poderão receber até R$ 3 mil cada. Segundo Takara, essa linha de crédito especial terá uma carência de pagamento de 120 dias. Ou seja, o empréstimo começará a ser pago após o quarto mês e terá taxa de juro mensal de apenas 1%.  

Num segundo momento, quando os empréstimos começarem a ser pagos, o recurso será revertido para Firgun, Empreende Ai e Impact Hub apoiarem os empreendedores na fase pós-crise.

Veja:  Senado aprova socorro a micro e pequenas empresas para evitar demissões

Como acontece

A Firgun participa com o seu know-how na área de análise de risco, liberação de recursos e cobrança. A Empreende Aí está liderando a iniciativa e é responsável pela organização do fundo, articulação dos empreendedores e de rede de doadores. Já a Impact Hub está usando a sua rede de mobilização para levantar os recursos.  

Segundo Luis Coelho e Jennifer Rodrigues, sócios fundadores da Empreende Aí, são mais de 30 empresas, institutos e fundações mobilizados e interessados em ingressar no fundo . "Eles estão sendo extremamente receptivos aos nossos contatos, porque estão cientes do momento de urgência e de sua responsabilidade social”, afirma Coelho.

A cota mínima para integrar o fundo é de R$ 30 mil e as empresas podem ter a isenção fiscal de 2% como um dos incentivos . "O fundo é uma questão humanitária, mas é também uma forma de tentar manter a economia girando, visto que se muitas pessoas começarem a perder sua renda, os negócios começarem a quebrar e as dificuldades aumentarem, o prejuízo sistémico é gigante”, aponta Jennifer.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários