Tamanho do texto

Aplicativo responde controvérsia sobre privacidade: 'a maioria das imagens é excluída dos nossos servidores dentro de 48 horas a partir da data de envio'

Olhar Digital

App se envolveu em polêmica após denúncia de que dados eram vazados arrow-options
Reprodução/Instagram
Assim como a Xuxa, outros famosos entraram na brincadeira e usaram o FotoApp para "ficar idoso"


Na última semana, o  FaceApp , aplicativo que promete criar selfies com filtros que envelhecem por meio de Inteligência Artificial, viralizou nas redes sociais. Porém, surgiram inúmeras preocupações acerca da privacidade, como o armazenamento de fotos nos servidores em nuvem da empresa, sem deixar claro para o usuário que o processamento não estava ocorrendo localmente, no próprio dispositivo.   

Leia também: Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

O aplicativo , administrado por uma uma startup russa, afirma que a maior parte do processamento necessário para potencializar os efeitos de embelezamento, gênero e aceleração de idade de seu aplicativo é realizado na nuvem, mas alega que carrega apenas as fotos selecionadas pelo usuários para edição. 

Testes de segurança também não encontraram evidências de que o aplicativo envia o rolo completo da câmera de um usuário.

Em posicionamento oficial, o FaceApp especifica que "pode" armazenar as fotos que os usuários escolheram carregar na nuvem por um curto período, justificando que isso é feito para "desempenho e tráfego" — como garantir que um usuário não faça uploads repetidamente da mesma foto para realizar outra edição. "A maioria das imagens é excluída dos nossos servidores dentro de 48 horas a partir da data de envio", explica.

A empresa também afirma que nenhum dado do usuário é "transferido para a Rússia", apesar de sua equipe de pesquisa e desenvolvimento estar localizada lá.    

Leia também: Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava
Segundo o fundador do aplicativo, o processamento em nuvem é executado usando infraestrutura com base fora da Rússia. Seu fundador Yaroslav Goncharov disse utilizar os servidores da AWS (Amazon Web Services) e do Google Cloud , e acrescenta: "não vendemos nem compartilhamos dados de usuários com terceiros". 

O FaceApp também diz que os usuários podem solicitar que seus dados sejam excluídos. Embora ainda não tenha uma maneira muito fácil de fazê-lo, o aplicativo pede que os usuários enviem solicitações de exclusão pelo próprio app móvel (" Configurações -> Suporte -> Informar um bug " com a palavra " privacidade " na linha de assunto. A startup acrescenta que já está "trabalhando em uma interface melhor para isso".

Reprodução

Fonte: TechCrunch

    Leia tudo sobre: Facebook