Tamanho do texto

Invenção de cientistas americanos e chineses é capaz de suportar até um milhão de vezes o próprio peso e se locomover em alta velocidade

Olhar Digital


via GIPHY


Um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e da Universidade de Tsinghua, na China, criou um protótipo de um mini-robô inspirado em uma barata. As informações são do site  InkStone

A invenção, que é capaz de se locomover rapidamente e é praticamente indestrutível , é cotada para substituir cães farejadores na detecção de vítimas desaparecidas após desastres naturais.

Conheça o BM10: um mini celular do tamanho de um pendrive

"Por mais que a barata seja uma praga chata, ela possui certas características interessantes, incluindo a capacidade de se locomover rapidamente por um espaço estreito e a dificuldade de ser esmagada - isso nos inspirou a desenvolver um rápido e robusto robô flexível", explica Zhang Min, uma das autoras do estudo, ao periódico "South China Morning Post". 

O estudo foi publicado na semana passada na revista 'Science Robotics' . O novo protótipo possui o tamanho de um selo postal e pesa menos de um décimo de um grama. É composto por um filme fino flexível e piezoelétrico (seus cristais, estimulados por pressão mecânica, geram tensão elétrica), e possui um esqueleto de polímero com duas pernas. 

Atualização do Telegram traz mensagem silenciosa, emoji animado e mais

Ele pode se mover tão rápido quanto uma barata , e consegue atingir até 20 vezes o comprimento do corpo por segundo. Flexível, é capaz de se mover mesmo após ser pisoteado por uma pessoa de 60 kg (peso 1 milhão de vezes maior que o próprio corpo)


Há muito tempo, a Ciência se inspira em insetos para criar robôs. No caso da barata, é importante notar que elas são capazes de transportar cargas até 900 vezes maior que o próprio peso, encolher até um quarto da altura e viver por uma semana sem a cabeça.

Antes desta invenção, em 2017, pesquisadores de Berkeley desenvolveram um robô do tamanho da palma da mão - cerca de 20 vezes o tamanho do inseto - para uso em resgates .

"As principais inovações são os materiais flexíveis e estruturas utilizadas no robô", afirma Lin Liwei, professor de Berkeley que dirigiu a pesquisa. "Se o robô for muito mole, ele não poderá se mover rapidamente. Se o robô for muito rígido, não poderá suportar o peso humano", explica.

Esses recursos o tornam um candidato em potencial para ajudar em desastres, campo no qual o  tamanho, a agilidade e a resiliência são necessários para detectar sobreviventes presos sob os escombros.