Tamanho do texto

Companhia sul-coreana busca alternativas às baterias de íon-lítio desde o pesadelo do Note 7, em 2016

Olhar Digital

celular samsung arrow-options
Wikimedia Commons
Samsung deve lançar celular com bateria que carrega em menos de meia hora

A Samsung pode estar trabalhando em uma alternativa às baterias de íons de lítio para seus telefones. De acordo com o repórter Evan Blass, a empresa espera lançar pelo menos um smartphone com bateria de grafeno no próximo ano ou até 2021. O jornalista, que ficou conhecido como @evleaks e ganhou renome pela reputação impecável de vazamentos de celulares antes do lançamento, divulgou a informação em sua conta no Twitter, nesta segunda-feira (12).

Leia também: Xiaomi lança impressora de bolso que será vendida por menos de R$ 200

O post explica que o telefone seria "capaz de receber uma carga completa em menos de meia hora", mas que ajustes ainda precisam ser feitos para aumentar as capacidades sem que isso signifique um aumento pesado nos custos. A Samsung não confirmou as informações.

O grafeno tem sido apontado como o "material dos sonhos" graças às suas propriedades únicas. Cientistas acreditam que as baterias de grafeno podem melhorar o armazenamento de energia e acelerar significativamente o carregamento nos telefones. Em 2017, a Samsung anunciou que seus pesquisadores desenvolveram uma "bola de grafeno" que permite velocidades de carregamento cinco vezes mais rápidas que as tradicionais baterias de íon-lítio.

O desastre do Note 7

Um grande motivo por trás da busca da Samsung por baterias alternativas é o fiasco do Note 7 , em 2016. Na ocasião, pouco depois do aparelho ter sido colocado à venda, usuários começaram a relatar problemas de superaquecimento e explosões. A Samsung ligou os incidentes a uma falha no design da bateria e fez o recall de todos os telefones Note 7 no mercado. O problema é que, após relançar o telefone "consertado", a empresa se deparou com os mesmos relatos negativos. Isso encerrou de vez a fabricação do Note 7.

Leia também: Apple oferece US$ 1 milhão para quem conseguir hackear iPhone

Após a situação desastrosa, a fabricante sul-coreana mudou o processo de testes para os principais componentes de aparelhos móveis e instituiu um processo de inspeção de oito etapas para as baterias .

Fonte: CNet