Marcos Roberto Correia da Silva, hacker que invadiu sistema do Senado
Reprodução
Marcos Roberto Correia da Silva, hacker que invadiu sistema do Senado

O hacker Marcos Roberto Correia da Silva, acusado de invadir os sistemas do Senado Federal , se tornou réu no caso após a Justiça Federal em Brasília aceitar a denúncia do Ministério Público Federal (MPF). Preso na última sexta-feira (19) , ele é investigado pelo  vazamento de dados de 223 milhões de brasileiros divulgado em janeiro.

A decisão, publicada na última terça-feira (23), foi do juiz federal Frederico Botelho, da 10ª Vara Federal. Ele responderá pelos crimes de invasão de dispositivo informático e divulgação de segredos. A denúncia, em si, foi feita ainda no final de janeiro. A pena prevista para crimes do tipo é de até dez anos de reclusão.

A prisão do hacker , conhecido por VandaTheGod, aconteceu com a deflagração da operação Deepwater, da Polícia Federal (PF). Segundo o Ministério Público, ele teria invadido o sistema de intranet do Senado Federal em 28 de agosto utilizando credenciais de acesso de um ex-servidor.

Você viu?

De acordo com a denúncia, ele teria feito publicações em redes sociais relacionadas ao caso, como alguns dados obtidos e trechos do inquérito policial (IPL) aberto que apura a invasão.

Venda de dados por bitcoin

O hacker também teria confessado a autoria dos ataques em um interrogatório. Na operação da PF, foram apreendidos equipamentos como computadores e HDs. No vazamento de dados , considerado o maior da história do país, foram identificadas informações de CPFs e CNPJs brasileiros.

A investigação aponta que os dados eram comercializados em fóruns em troca de criptomoedas , como o bitcoin . Entre as informações, era possível obter dados como nome, data de nascimento, endereços, imposto de renda, escolaridade, dados de renda, score de crédito e outros. A base de dados foi inicialmente atribuída ao Serasa , que negou qualquer violação em seus sistemas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários