Projeção foi feita pelo engenheiro da Oculus, desenvolvedora do Rift, um visor de realidade virtual; para ele, óculos ainda terão momento "Macintosh"

Brasil Econômico

O Facebook utilizou sua conferência para desenvolvedores, a F8, para apresentar sua nova aposta. De acordo com projeções da rede social, os óculos se tornarão mais populares que os smartphones em cinco anos. A previsão foi foi feita por Michael Abrash, cientista-chefe da Oculus, companhia da empresa de Mark Zuckerberg que desenvolve o dispositivo de realidade virtual Rift.

Leia também: Facebook apresenta drone que oferece internet em situações de emergência

De acordo com o site "Business Insider", as projeções de Abrash apontam que os dispositivos deverão se parecer mais com os óculos comuns, mais leves e mais bonitos. No evento realizado pelo Facebook , ele projetou que os aparelhos terão capacidade de oferecer tradução instantânea de sinais no campo de visão do usuário, silenciar conversas ao redor para evitar distrações e até mesmo checar a temperatura de um bebê, por exemplo.

Projeção foi feita por Michael Abrash, cientista-chefe da Oculus, companhia do Facebook responsável pelo Rift (foto)
Divulgação
Projeção foi feita por Michael Abrash, cientista-chefe da Oculus, companhia do Facebook responsável pelo Rift (foto)

Leia também: Antes de eleição na França, Facebook cria medidas para impedir perfis falsos

"Apesar de toda a atenção focada em realidade aumentada atualmente, serão cinco anos, no máximo, até que estejamos realmente no início de uma rampa para espalhar óculos baseados em realidade aumentada", disse Abrash. O engenheiro citou ainda que este será o tempo necessário para os dispositivos chegarem ao seu momento "Macintosh". Para ele, os óculos de realidade virtual não irão separar o usuário do mundo real. A ideia é mostrar informações no ambiente, algo parecido com o que o Microsoft HoloLens consegue fazer.

Para o Facebook, óculos serão mais parecidos com o HoloLens, que integra realidade com o virtual
Divulgação
Para o Facebook, óculos serão mais parecidos com o HoloLens, que integra realidade com o virtual

A ideia, segundo ele, é atingir o nível que o Macintosh, o computador da Apple, alcançou em 1984, ano em que foi lançado. Naquele ano, o produto, que oferecia interfaces mais amigáveis, fez com que os computadores pessoais se tornassem febre entre os usuários. "Mesmo quando alcançarmos esta rampa, deveremos levar anos para perceber todo o potencial da realidade aumentada, assim como levou décadas para computação orientada ao usuário alcançar bilhões de pessoas", disse Abrash.

Leia também: Aplicativo Google Primer faz sucesso entre os brasileiros, com 760 mil downloads

Para o "Business Insider", o engenheiro está claramente tentando deixar claro que óculos futuristas de realidade aumentada não são uma realidade tão próxima quanto muitos possam acreditar. No entanto, ao falar em cinco anos, o Facebook estaria definindo uma meta para o que muitos acreditam ser a próxima grande mudança de plataformas, o que provavelmente, também fará outras empresas do ramo acelerarem seus projetos.

    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.