Tamanho do texto

O aplicativo JusTap ajuda o consumidor a tirar dúvidas em relação aos seus direitos e quando necessário, facilita a contratação de um advogado

A tecnologia veio para ajudar nas rotinas do dia a dia, não é mesmo. Hoje os smartphones são praticamente parte do vestuário e organizam tarefas diárias, as finanças pessoais, o lazer e podem até ser aliados quando necessário fazer valer seu direito de cidadão ou de consumidor. Foi pensando em ajudar a população a entender quais seus direitos e obrigações que o aplicativo JusTap foi criado.

LEIA MAIS: Aplicativo facilita a vida de quem precisa comprar medicamentos

Rogério Fontes, idealizador do aplicativo JusTap, quer aproximar clientes e advogados
Divulgação
Rogério Fontes, idealizador do aplicativo JusTap, quer aproximar clientes e advogados


Com o aplicativo o usuário pode pesquisar a legislação, consultar direitos do consumidor ou civil e até mesmo encontrar um advogado para ajudá-lo na resolução de um conflito. Idealizado pelo empresário Rogério Fontes, o app foi lançado oficialmente em dezembro e o empresário, que tem advocacia como profissão, afirmou que a intenção é “desmistificar a relação entre cliente e advogado e ajudar na resolução de problemas comuns aos cidadãos”, disse em entrevista ao Brasil Econômico.

Totalmente gratuito ao cidadão, o JusTap atua como um consultor jurídico online, em que o usuário do app pode consultar antes de decidir se será necessário ou não recorrer à justiça. “Vamos usar como exemplo o caso de bagagem danificada em aeroportos. Muitos não sabem, mas quando isso acontece deixar o local (aeroporto) e fizer a reclamação posteriormente não é indicado. Isso deve ser feito no local, assim que for identificado o problema”, explicou Fontes ao enfatizar que com o uso do JusTap, situações como está poderiam ser resolvidas imediatamente, sem a necessidade de uma ação na justiça.

Prestação de serviço

Além dessa consultoria jurídica online, com a ferramenta o usuário pode encontrar e contratar um advogado, além de enviar toda a documentação necessária para a abertura de uma ação na justiça. “O usuário poderá enviar todos os documentos por meio da plataforma, sem a necessidade de se deslocar até o escritório do profissional”, disse.  

O custo ao usuário refere-se ao serviço prestado pelo profissional, sendo que em muitos casos, esse valor é pago só quando uma sentença é dada ao caso. “Quando não existem custas iniciais com o processo, o pagamento ao advogado se dá apenas no final da ação, quando se recebe a sentença de um juiz”. O valor é previamente acertado entre as partes antes de o processo ser ajuizado e envolve porcentagem, pratica comum para pagamento pelos serviços prestados.

LEIA MAIS: Está endividado? Aplicativos ajudam na renegociação dos débitos

Advogados

 A plataforma foi idealizada por Rogério Fontes e contou com a ajuda de investidores individuais e levou cerca de um ano para ser disponibilizada nas lojas de aplicativos, após o desenvolvimento total do plano de negócios. A rentabilização do serviço se dá por conta de um plano, com valor mensal, contratado pelo advogado. “São três opções de pacotes, com valor máximo de R$ 159”.

O profissional interessado em oferecer seus serviços por meio do aplicativo terá o custo que equivale a uma taxa de 1% sobre o valor de transações financeiras feitas dentro da plataforma, além de uma taxa de R$ 150 por cliente atendido no app. “A taxa de 1% é para cobrir os custos com cartão de crédito”, explicou Fontes.

 LEIA MAIS: YouTube decide retirar anúncios incômodos em 2018

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.