Tamanho do texto

Segundo estudo, caso YouTube não existisse, cerca de 85% do tempo que os usuários gastam por lá seriam direcionados para sites de menor qualidade

YouTube afirmou reduzir prejuízos de outras plataformas por combater a pirataria musical
Divulgação
YouTube afirmou reduzir prejuízos de outras plataformas por combater a pirataria musical

O YouTube publicou um estudo com a intenção de comprovar que seu trabalho ajuda na redução da pirataria de música. A empresa mostrou que, apesar de ser um dos meios preferidos dos usuários para ouvir música via streaming, não é concorrente do Spotify e da Apple Music, mas, sim, uma "parceira". 

Leia também: Mistura de YouTube com Spotify? Conheça o Noumz Music

De acordo com a plataforma, esse combate à pirataria acaba ajudando as outras ferramentas de streaming, pois a disseminação de música ilegal seria prejudicial para eles e para os artistas responsáveis pela criação dos conteúdos. O estudo feito pela RBB Economics levou em consideração a opinião de 6 mil usuários do YouTube em países como Alemanha, França, Itália e Reino Unido.

Segundo o levantamento, caso a plataforma de vídeos do Google não existisse, cerca de 85% do tempo que os usuários gastam por lá seriam direcionados para sites inferiores, o que inclui aqueles de download ilegal de música. Neste cenário, seria possível que a pirataria crescesse algo em torno de 29% em um tempo curto. Isso porque a maior parte das pessoas acessa o site para ouvir músicas.

Leia também: YouTube lança novo design para desktop com opção de background escuro

Acusações

Apesar de a empresa alegar o auxílio ao combate à pirataria, muitas organizações de artistas e gravadoras vem acusando a plataforma do Google de afetar seus negócios e pagar valores inferiores pela reprodução do áudio. Em contrapartida, a companhia afirma ter pago mais de US$ 1 bilhão em publicidade para músicos e gravadoras. 

A Apple não pareceu muito satisfeita com o fato de a ferramenta de vídeos ter alegado ser uma parceira de sua operação. Seu serviço de streaming, o Apple Music, está investindo altos valores para produzir materiais exclusivos para sua plataforma.

Leia também: YouTube começa a oferecer workshops contra a propagação de notícias falsas

Esta linha de investimentos também está sendo seguida pelo YouTube, mas não necessariamente em conteúdos relacionados à música. Nesta semana, a empresa anunciou a produção de 40 programas originais para 2018, sendo que alguns deles serão disponibilizados gratuitamente. No último ano, a plataforma já havia criado 30 materiais próprios para sua versão paga. 

    Leia tudo sobre: YouTube
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.