Tamanho do texto

Cidades inteligentes: Imagine uma cidade que pode mudar dinamicamente os tempos dos semáforos dependendo de fatores como acidentes ou chuva

Brasil Econômico

De acordo com um estudo realizado pela consultoria McKinsey, o escritório jurídico Pereira Neto Advogados e o Centro de Pesquisa Desenvolvimento (CPqD), os impactos da Internet das Coisa s (IoT – Internet of Things, em inglês) pode resultar em movimentações de até US$ 200 bilhões por ano, a partir de 2025.

Leia também: Amazon lança novo Kindle Oasis com resistência a água e tela maior

IoT: Cenário preditivos vão imperar, uma vez que problemas e riscos serão identificados antes mesmo deles se concretizarem
Standard/shutterstock
IoT: Cenário preditivos vão imperar, uma vez que problemas e riscos serão identificados antes mesmo deles se concretizarem

Além da questão econômica, o portal de notícias estadunidense, Business Insider, avalia que até 2020, cerca de 34 bilhões de dispositivos já estarão conectados à IoT . O que facilmente possibilita o desenvolvimento de novas ideias de negócios. Confira as apostas de seis especialistas:

1.     Segurança digital

O co-fundador da Konduto, empresa responsável por oferecer soluções antifraudes para e-commerces, Tom Canabarro, avalia que à medida que a tecnologia evolui, os casos de ataques cibernéticos aumentam, e que inclusive há relatos de invasões hacker às babás eletrônicas. “A segurança cibernética tem muito para progredir. Imagine o que poderia acontecer com geladeiras, ar-condicionado e até marcapassos conectados à internet?”, exemplifica.

2.     Streaming publicitário

Quem atua na área de publicidade sabe que os maiores desafios das agências têm sido otimizar o tempo das tomadas de decisões, agilizar o retorno às solicitações dos clientes, facilitar o acesso de novas mídias e fornecedores, bem como reduzir as despesas com idas e vindas de documentos e materiais publicitários para revisões e aprovações.

Diante desse cenário, o CEO da AdStream, plataforma mundial de armazenamento e distribuição de campanhas publicitárias, Celso Vergeiro, aponta que ter uma plataforma online como ferramenta de armazenamento, otimização de fluxo de trabalho e interação entre agência, anunciante e fornecedor é o que garantirá maior competitividade às empresas.

Leia também: Quanto vale suas informações genéticas? Startup transforma dados em negócio

3.     Cenários preditivos

Segundo o CEO da upLexis, empresa de busca e estruturação de informações extraídas de grandes volumes de dados (Big Data), Eduardo Tardelli, cenário preditivos – função matemática que reconhece padrões ocultos, e de certa forma prever –  vão imperar, uma vez que problemas e riscos serão identificados antes mesmo deles se concretizarem.

4.     Inteligência Artificial no varejo físico

Embora o varejo físico inove pouco na transformação da experiência de compra, o COO da Propz, empresa voltada para soluções de inteligência artificial (IA) e big data para o varejo, Israel Nacaxe, diz que nos próximos anos a sociedade verá as ferramentas de IA crescerem. Ele argumenta que apenas o aprendizado da máquina é capaz de descobrir os padrões de comportamento do cliente e sugerir com real eficiência ofertas e estratégias promocionais, o que consequentemente aumentará as vendas.

5.     Cidades Inteligentes

Imagine uma cidade que pode mudar dinamicamente os tempos dos semáforos dependendo de fatores como acidentes ou chuva, e até mesmo capaz de alterar os limites de velocidade dependendo da situação do trânsito. Assim serão as “cidades inteligentes”.

“O tempo que será salvo e a eficiência que será ganha pelo cidadão se tornarão um diferencial competitivo, fazendo com que as cidades atraiam investimentos, empregos e até turismo”, diz o sócio fundador da Cobli, startup especializada em rastreamento, telemetria e gestão de frotas, Rodrigo Mourad.

Leia também: Varejistas: Magazine Luiza investe em mercado e Habib's em posto de gasolina

6.     Plataformas wearables

"Vivemos na era da realidade virtual, aumentada e inteligência artificial. E para o futuro, podemos esperar devices wearables com lentes de contato capazes de gravar as imagens que estão sendo visualizadas – e porque não utilizar para comprar produtos? Com a realidade aumentada em lentes de contato o conteúdo integrado não seria mais um vídeo, show, comercial ou seriado, e sim imagens da vida da pessoa em tempo real", avalia o vice-presidente de marketing global do Cinemall, tecnologia que permite a integração de produtos, marcas e serviços diretamente no conteúdo nas mais variadas plataformas, Anselmo Martini.

Se identificou com alguma das tendências da IoT?

    Leia tudo sobre: inovação
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.