Tamanho do texto

Lâmpada inteligente seria capaz de usar as ondas de luz para fazer conexão com a banda larga e permitir a transferência de dados entre dispositivos

Lâmpadas da Philips podem chegar a até 30Mb/s sem interferir na iluminação do ambiente
iStock
Lâmpadas da Philips podem chegar a até 30Mb/s sem interferir na iluminação do ambiente

Já pensou em ligar a lâmpada da sua casa e, automaticamente, obter uma internet até 100 vezes mais rápida que o Wi-Fi? Essa é a proposta da Philips, que apresentou as lâmpadas inteligentes na feira de iluminação Light + Building, em Frankfurt, na Alemanha.

Leia também: Criador do WhatsApp sugere que usuários excluam suas contas do Facebook

De acordo com a Philips , a lâmpada inteligente seria capaz de usar as ondas de luz para fazer conexão com a banda larga e, dessa forma, permitir a transferência de dados entre dispositivos. Esta tecnologia, conhecida como Li-Fi, apresentou ótimos resultados em testes realizados por pesquisadores. Além de mais rápido, o sistema promete ainda ser mais estável que o Wi-Fi.

A empresa assegura que o Li-Fi é capaz de chegar a 30Mb/s sem comprometer a iluminação. Segundo a fabricante, é possível, por exemplo, transmitir vídeos com qualidade HD ao mesmo tempo em que é realizada uma videochamada. 

Locais como os hospitais, em que há equipamentos que não devem passar por interferência de radiofrequências, são recomendados para o uso do Li-Fi. Além disso, ambientes subterrâneos, por exemplo, que não são plenamente alcançados por sinal Wi-Fi, também podem se beneficiar da nova tecnologia. 

Leia também: Instagram anuncia lançamento de recurso para compras na rede social

Ambientes que requerem segurança elevada, como instituições financeiras, pode ter maior proteção ao utilizar o Li-Fi. Isso porque a luz não pode ultrapassar obstáculos como as paredes, o que dificulta o acesso externo. 

São dois os modelos de lâmpadas inteligentes com internet da fabricante, a LuxSpace e a PowerBalance gen2. Ambos possuem um modem responsável por fazer a modulacão das luzes de LED, com intensidade e frequências elevadas, para gerar a conexão. Os principais problemas da tecnologia são: necessidade de manter a luz acessa e exigência de um dispositivo externo, chamado de Dongle, para o funcionamento da conexão.

Leia também: Apple estaria produzindo telas MicroLED para ter independência de concorrente

Novo nome

A empresa também aproveitou o evento para anunciar que a marca Philips Lightining vai mudar de nome para Signify, fazendo uma relação com a transmissão de significados e sensações. A marca global, no entanto, segue utilizando o nome Philips.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.