Tamanho do texto

Dados divulgados pela Anatel indicam que NET continua com mais de 50% do setor, mas perde quase 8% dos seus assinantes. Sky vem atrás com 29%

Setor de TV por assinatura sofre reflexos da crise econômica no Brasil
shutterstock
Setor de TV por assinatura sofre reflexos da crise econômica no Brasil


A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nesta quinta-feira (26) os dados do setor de TV por assinatura e os resultados foram preocupantes. No período de um ano, o segmento perdeu mais de 1 milhão de contratos e passou a contar com menos de 18 milhões de assinantes.

Leia também: Amazon vai gastar US$ 1 bilhão para produzir série sobre Senhor dos Anéis

Segundo a Anatel , 17.851.565 contratos estavam registrados no mês de março de 2018, isso significa redução de 1.081.024 ou 5,71% em relação a março de 2017. No comparativo com o mês anterior, porém, o saldo negativo foi de apenas 972 contratos, o que significa -0,01%.

O setor é um dos que mais sofre cortes em período de crise econômica já que muitos brasileiros consideram a TV por assinatura um gasto supérfluo no orçamento. As empresas, no entanto, já esperavam por uma recuperação neste ano, pelo menos para diminuir o saldo negativo acumulado ao longo do ano passado.

Divisão por empresas

Na divisão do segmento, a NET foi a que mais perdeu. Líder do mercado, ela possui 8.973.366 clientes, o que representa 50,27% do total. No entanto, apenas nos últimos 12 meses, a empresa perdeu 765.891 contratos e apresentou uma queda de 7,86% da sua base de usuários.

Leia também: MP abre processo contra Oi Móvel por desrespeitar Código de Defesa do Consumidor

Com 5.298.485 assinantes, a Sky conta com 29,68% do mercado e também perdeu muitos clientes: 289.986 ou 5,19%, nos últimos 12 meses. Já a Telefônica manteve-se na terceira posição com 1.586.498 ou 8,89% do mercado, mas viu a Oi diminuiu a diferença já que a empresa com sede no Rio de Janeiro foi uma das únicas que registrou crescimento no período adquirindo 175.163 contratos, um crescimento de 12,96% que lhe fez chegar a 8,55% do total.

Divisão por estados

Já em relação às unidades da federação, as maiores reduções de contratos no período dos últimos 12 meses, em termos percentuais, foram registradas no Amapá com -3.021 (-12,89%), Pernambuco com -47.104 (-12,66%) e Sergipe com -11.174 (-11,69%).

Em termos números, porém, as maiores quedas foram registradas em São Paulo com -485.499 contratos (-6,71%) e Rio de Janeiro com -129.250 contratos (-5,05%). Enquanto isso, Maranhão, Piauí e Tocantins registraram pequenos aumentos no serviço.

Se março for comparado apenas com o mês de fevereiro de 2018, as maiores reduções percentuais foram novamente no Amapá com -264 contratos (-1,28%) e no Pará com -4.913 contratos (-1,59%).

Leia também: A Netflix vai dominar o mundo? Entenda porque sim e porque não

Já em termos quantitativos, os contratos foram encerrados mais vezes no Rio de Janeiro com -5.932 contratos (-0,24%) e no Pará com -4.913 contratos (-1,59%). O Rio Grande do Sul, porém, registrou um aumento de 8.082 contratos de TV por assinatura , de fevereiro para março de 2018.

*Com informações da Anatel

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.