Tamanho do texto

Maior plataforma de troca de mensagens no mundo, WhatsApp têm milhões de usuários e foi comprada pelo Facebook, mas ainda não tinha uma forma clara de ganhar dinheiro, o que deve mudar agora com inclusão de anúncios

Aplicativos de mensagens mais popular do mundo agora vai passar a incluir anúncios no WhatsApp
shutterstock
Aplicativos de mensagens mais popular do mundo agora vai passar a incluir anúncios no WhatsApp

Que o WhatsApp é a maior plataforma de troca de mensagens no Brasil e em vários outros países do mundo, isso todo mundo já sabe. O que talvez pouca gente saiba é que mesmo contando com cerca de 1,5 bilhão de usuários no mundo todo, a empresa ainda não tinha encontrado uma forma de fazer dinheiro com isso. Essa busca, porém, parece ter acabado de acabar: a partir de hoje haverá anúncios no WhatsApp.

Leia também: WhatsApp vai mostrar origem das mensagens recebidas para combater fake news

O problema para a rentabilização do WhatsApp era justamente o seu serviço prestado. Apesar de ser muito utilizado, a troca de mensagens entre pessoas é algo privado, particular e delicado. Ganhar dinheiro, ainda que seja indiretamente, coletando dados e vendendo anúncios no WhatsApp , portanto, parecia algo impensável para a companhia que, pelo menos oficialmente, nunca admitiu fazer isso.

Pelo contrário. Todo usuário do WhatsApp no Brasil deve se lembrar de pelo menos uma ou duas opotunidades em que a plataforma saiu do ar por decisão judicial após se negar a revelar o conteúdo de conversas particulares entre seus usuários, mesmo que a justiça entedesse que as informações ali contidas pudessem contribuir para uma investigação.

A polêmica é tamanha quando se trata de privacidade dos usuários que os acontecimentos recentes fizeram, inclusive, com que a empresa passasse a reforçar a criptografia e, portanto, a segurança da troca de mensagens dentro do aplicativo. Algo que sempre é relembrado aos seus milhões (ou bilhões) de usuários sempre que eles começam uma conversa nova.

Tudo isso fez com que o WhatsApp sempre fosse considerado um produto de grande potencial por conta da sua grande cartela de usuários e de dados, mas incapaz de conseguir se rentabilizar e viabilizar financeiramente a longo prazo.

É bem verdade que isso não impediu que o Facebook, uma outra gigante do setor de tecnologia, comprasse a companhia de seus fundadores por US$ 22 bilhões, mas de qualquer forma, os problemas de rentabilização do WhatsApp podem estar perto de acabar.

Leia também: Depois de golpe no WhatsApp fracassar, ladrão pergunta à vítima "onde eu errei?"

Os usuários, no entanto, não precisam se preocupar (tanto). Isso porque a empresa encontrou na venda de anúncios no WhatsApp Status, uma forma de lucrar sem ser (tão) invasivo aos usuários . A ideia é exatamente a mesma do que já acontece no Instagram Stories quando as fotos ou vídeos curtos e efêmeros dos contatos de um usuário são intercalados com anúncios de marcas que pagaram para estar ali.

A revelação feita inicialmente pelo  The Wall Street Journal  ainda dá conta de que essa relativamente nova funcionalidade do WhatsApp ainda não caiu de vez nas graças dos usuários (sobretudo no Brasil), mas já conta com 450 milhões de usuários diários. Apenas uma fração do total de usuários do WhatsApp "normal", mas ainda 50 milhões além do que o Instagram tem neste mesmo tipo de recurso.

Além disso, o WhatsApp também utilizará a plataforma Business (a única modalidade do WhatsApp que já cobra um valor dos seus usuários) para permitir que essas empresas entrem em contato com possíveis clientes.

O valor cobrado pelo aplicativo ficará entre US$ 0,005 (meio centavo de dólar) e US$ 0,09 (nove centavos de dólar) por cada mensagem enviada para cada pessoa. Valores próximos dos que já são cobrados nos anúncios do Facebook, empresa dona do serviço de mensagens.

Leia também: Atualize o app! Usuários do WhatsApp já podem fazer chamada de vídeo em grupo

Agora nos resta saber se a estratégias de incluir anúncios no WhatsApp Status vai funcionar e ser suficiente para manter o serviço de pé. Caso contrário, esta pode ter sido a brecha para que anúncios tomem conta também das conversas particulares e se tornem invasivos em mais um aplicativo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.