Tamanho do texto

Fábio Gouveia da UFES explica que, diferente de meios tradicionais de comunicação como rádio e TV, os internautas têm o “papel de filtros disseminadores”, com o poder de repassar ou reter as mensagens recebidas

Confira as vantagens e as desvantagens em se ter uma população mais ativa na internet durante campanha eleitoral
Foto: Nelson Jr./ASICS/TSE
Confira as vantagens e as desvantagens em se ter uma população mais ativa na internet durante campanha eleitoral

Começa nesta quinta-feira (16) a divulgação oficial da  propaganda eleitoral  e, de acordo com especialistas entrevistados pela Agência Brasil,   o papel da internet nessas eleições será mais decisivo do que nunca, apresentando uma nova maneira de se fazer campanha eleitoral no País.

Os pesquisadores explicam ainda que, diferente da televisão e do rádio, que veiculam o horário eleitoral gratuito, na internet, a comunicação com eleitores é individualizada e interativa, permitindo ao eleitor comentar ou encaminhar o conteúdo de campanha eleitoral . Enquanto que nos canais abertos de TV e estações de rádio, essa interação não é viável.

Diante desse cenário, o estatístico e doutor em psicologia social, Marcos Ruben, aponta que as mensagens de conteúdo eleitoral encaminhadas por meio de plataformas como o Facebook e o WhatsApp serão mais influentes do que aquelas vistas na televisão.  

Complementando o raciocínio, o coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Fábio Gouveia, diz que os usuários “assumem papel de filtros disseminadores”, ou seja, com o poder de repassar ou reter as mensagens com quem estão conectados.

Para o professor titular do Instituto de Psicologia da USP, Christian Dunker, a  internet também pode assumir  um papel educacional nesse contexto, uma vez que a tecnologia viabiliza a informação de uma forma mais crítica para uma grande camada da população que estava excluída do debate político.

Dunker pontua que “isso [internet] ajuda a entender as formas de tratamento, usos de imagem, estratégias de retórica intimidativa e bipolarizando [hoje verificados] que eram menos acessíveis quando tínhamos a campanha baseada na televisão”.

Leia também: Enquete aponta que 70% dos internautas se informam sobre eleições pelo Twitter

Maior papel da internet na campanha eleitoral e os custos

Especialistas apontam que internet terá mais influência na campanha eleitoral dos presidenciáveis em 2018
shutterstock
Especialistas apontam que internet terá mais influência na campanha eleitoral dos presidenciáveis em 2018

As temíveis fake news , deformação de mensagens, difamações generalizadas e manifestações de ódio e intolerância podem ser potencializadas este ano, apontam os pesquisadores da área.

Além disso, o especialista em gestão de crises de imagem, Mário Rosa, atenta que o disparo no WhatsApp não pode ser monitorado. “Podem atacar e não vai dar para saber qual a origem dos ataques. O objetivo da campanha eleitoral não é informar, mas convencer”, alertou.

Em relação às consequências, Christian Dunker não afasta a possibilidade, especialmente ao fim da campanha, de serem divulgados fatos políticos que possam “vampirizar candidaturas e interferir nos resultados”.

Para se ter uma ideia sobre quantas pessoas podem ser influenciadas pela internet durante a campanha eleitoral , há pelo menos 127 milhões de brasileiros no Facebook, enquanto que o WhatsApp conta com mais de 120 milhões de usuários.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.