Brasil Econômico

undefined
Reprodução Grin
Depois dos serviços de aluguel de bicicletas, ptinetes elétricos viraram nova febre na cidade de São Paulo


São Paulo viveu, recentemente, uma onda de bicicletas: depois que as bikes de instituições financeiras como Itaú e Bradesco começaram a pipocar pela cidade, as de outras empresas, como a queridinha Yellow , chegaram rapidamente dominando as ruas. O jeito novo de se locomover fez tanto sucesso entre a população que deu espaço a mais um tipo de veículo: os patinetes elétricos.

Leia também: Uber vai trazer serviço de bicicletas elétricas para o Brasil em 2019

Em São Paulo, já é possível baixar aplicativos para alugá-los e andar pela cidade. Até o momento, existem três empresas prestando o serviço de patinetes elétricos  por aqui:  Grin,  Scoo e da própria Yellow, que também lançou alguns para chamar de seus.

Confira como usar os serviços de aluguel em cada um dos aplicativos:

Patinetes elétricos Grin

undefined
Reprodução Grin
Rappi trouxe para o Brasil e toda a América Latina os patinetes elétricos da empresa mexicana Grin


O serviço de patinetes elétricos da mexicana Grin chegou ao Brasil e a toda América Latina após uma parceria com o aplicativo de entregas Rappi. O projeto começou recentemente em São Paulo mas, segundo a Rappi, o plano é chegar a 12 mil patinetes em todo o País.

Para usar o serviço, os usuários podem acessar tanto o aplicativo da Rappi como o da Grin. Durante os três primeiros minutos de uso, é cobrada uma taxa inicial de R$ 3,00. Após esse tempo, são adicionados R$ 0,50 para cada minuto adicional. O primeiro passeio em uma Grin é grátis durante dez minutos. 

Para retirar ou devolver um deles, é preciso encontrar um biciletário ou ponto de encontro específico mostrado no próprio aplicativo.

Patinetes da Yellow

undefined
Reprodução Yellow
Os patinetes elétricos da Yellow podem ser deixados, após a viagem, em qualquer estação


Para os patinetes da Yellow , que também já existem, além de em São Paulo, no Rio de Janeiro, a taxa para começar a usar e destravar é de R$ 3,00. Depois disso, são cobrados R$ 0,50 adicionais paraa cada minuto rodado. Por enquanto, eles podem ser utilizados apenas no período entre 8h e 20h - caso contrário, a taxa de resgate do objeto custa R$ 100.

Depois de baixar o aplicativo, é preciso fazer o desbloqueio do patinete a partir de seu QR Code para começar a dirigir. No fim da corrida, basta deixá-lo em uma estação e finalizar o uso no aplicativo - apesar de existirem pontos privados nos quais os patinetes elétricos da Yellow ficam estacionados, eles podem ser pegos ou deixados em qualquer estação.

Além das funções comuns como freio e acelerador, os patinetes da Yellow também possuem faróis.

Patinetes da Scoo

undefined
Reprodução Scoo
Patinetes elétricos Scoo



A Scoo chegou em São Paulo em agosto de 2018 com a promessa de chegar a todo o Brasil em breve. Até o momento, os patinetes da empresa se concentram na Avenida Paulista, na Faria Lima e na região do Ibirapuera e eles possuem estações para serem retirados e colocados de volta.

Assim como a Yellow, os patinetes da Scoo também possuem faróis, além de luzes de freio, campainha e capacetes inclusos no preço. Eles podem podem atingir até 25km por hora.

Leia também: Uber Juntos chega para substituir a versão Pool; veja o que muda no app

O procedimento para utilizar um dos patinetes elétricos da marca é parecido com os outros: os veículos precisam ser desbloqueados com o QR Code e custam R$1,00 para serem usados durante quatro minutos. Depois, R$0,25 são cobrados por minuto utilizado. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários