Tamanho do texto

Em resposta às mudanças do WhatsApp, que decidiu reduzir o número de destinatários em encaminhamento de mensagens, o Telegram expandiu ainda mais o número máximo de integrantes de grupos em sua plataforma

Aplicativo Telegram anunciou atualização que amplia número de integrantes em grupos
shutterstock
Aplicativo Telegram anunciou atualização que amplia número de integrantes em grupos

O Telegram, aplicativo de mensagens que busca concorrer com o WhatsApp, anunciou uma atualização que dobra o número máximo de pessoas em um único grupo, passando de 100 mil para 200 mil usuários. O movimento ocorre um dia após o WhatsApp reduzir para cinco o número de destionatários em mensagens encaminhadas .

"Caso você já tenha se sentido sozinho em um grupo com 100 mil pessoas, o Telegram agora permite grupos de até 200 mil membros — para que você possa se sentir duas vezes mais solitário", brincou a empresa no anúncio da atualização.

A atualização vai na direção oposta das redes sociais mais utilizadas do mundo, sobretudo Facebook e WhatsApp , que buscam formas de controlar a disseminação de fake news, um fenômeno mundial que ganhou proporções ainda maiores no Brasil no período eleitoral.

Nesta segunda-feira, o WhatsApp anunciou que iria passar a limitar o encaminhamento de mensagens, reduzindo o número de destinatários possíveis de 20 para 5 em todo o mundo, em mais uma tentativa de evitar a propagação de boatos na rede.

Eduardo Bolsonaro criticou WhatsApp e sugeriu migração para Telegram e outras redes
Paola de Orte/Agência Brasil
Eduardo Bolsonaro criticou WhatsApp e sugeriu migração para Telegram e outras redes

Leia também: Fake news marcaram as eleições de 2018; relembre as 10 mais emblemáticas

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República e deputado federal mais votado da história do País ao obter 1.814.443 de votos, criticou a mudança e sugeriu a migração de sua rede de apoiadores para outros aplicativos de mensagens que não controlem o envio de mensagens e dão total liberdade ao compartilhamento de mensagens.

O argumento do deputado, dos seguidores da família Bolsonaro de modo geral e até mesmo de eleitores de Donald Trump nos Estados Unidos, tem como base a defesa da liberdade de expressão, justificando a proliferação de discursos violentos como um direito individual, minimizando os efeitos práticos dessas falas e o que representa a união desses grupos nas redes.

Em setembro, o fundador do aplicativo Gab, Andrew Torba, afirmou que “quando Bolsonaro se juntar ao Gab, o Twitter vai morrer no Brasil e a mídia vai entrar em pânico”. A rede social se diz apolítica e possui mais de 600 mil usuários pelo mundo, sendo que cerca de 30% desse tráfego vinha do Brasil em meados de outubro de 2018, período eleitoral. O crescimento da rede no País se deu justamente no segundo semestre do ano passado.

O discurso contra a grande mídia também é reforçado quando as redes sociais tomam a posição de protagonista na comunicação, o que pode perpetuar a disseminação de notícias falsas e enfraquecer o debate público. A Agência Lupa realizou um levantamento em 347 grupos do WhatsApp que aponta que, entre 16 de setembro e 7 de outubro (período de campanha eleitoral no Brasil), somente 8% das imagens enviadas podiam ser classificadas como verdadeiras .

WhatsApp, Facebook e Twitter tomam medidas para evitar o compartilhamento de notícias falsas, discursos de ódio, páginas spam, uso de robôs como forma de controlar o que é propagado nas redes. Na contramão estão outras redes, como o Telegram , que aderem ao discurso que conquista cada vez mais seguidores e diz prezar pela liberdade individual. Com o aumento do número de participantes em grupos, se torna ainda mais difícil controlar o que é compartilhado.