Tamanho do texto

Em nota, empresa disse que esses conceitos são ligados a grupos de ódio; quem pesquisar será redirecionado para a página "Life After Hate" (Vida Após o Ódio em português). Confira, aqui, as novas regras do Facebook

undefined
Flickr
A partir da semana que vem, Facebook e Instagram vão proibir conteúdos nacionalistas ou separatistas por incitarem o ódio


O Facebook anunciou, nesta quarta-feira (27), que vai banir qualquer tipo de "elogio, apoio e representação" de conteúdos nacionalistas e separatistas de sua plataforma. A decisão foi tomada após  um  ataque a tiros que deixou 50 mortos e 50 feridos no último dia 15 na Nova Zelândia ser transmitido, ao vivo, via Facebook.

Até então, apenas conteúdos supremacistas brancos eram proibidos. A decisão, que passa a valer na próxima semana, engloba também outro aplicativo pertencente à empresa, o Instagram. “Hoje estamos anunciando a proibição do elogio, apoio e representação do nacionalismo branco e do separatismo no Facebook e no Instagram, que começaremos a aplicar na próxima semana. É claro que esses conceitos estão profundamente ligados a grupos de ódio organizados e não têm lugar em nossos serviços”, disse o Facebook em nota.

De acordo com a companhia de Mark Zuckerberg, tanto o Facebook como o Instagram j á bloqueiam, há muito tempo, publicações com conteúdo de ódio no contexto de raça, etnia e religião.  

Leia também: Senhas de usuários do Facebook e do Instagram foram lidas por funcionários

Apesar disso, a empresa afirma que a mesma regra ainda não estava aplicada para produtos desse tipo de crime de ódio , como nacionalismo e o separatismo. “Nos últimos anos, melhoramos nossa capacidade de usar aprendizado de máquina e inteligência artificial para encontrar material de grupos terroristas. No outono passado, começamos a usar ferramentas semelhantes para estender nossos esforços a uma série de grupos de ódio em todo o mundo, incluindo os supremacistas brancos. Estamos progredindo, mas sabemos que temos muito mais trabalho a fazer”, informa a nota.

Usuário que procurar conteúdo de ódio no Facebook será redirecionado

undefined
shutterstock
Caso um usuário procure por um termo de ódio no Facebook, será redirecionado para uma página de ajuda




Caso um usário desses redes sociais busque por algum termo ou frase de ódio, ele verá uma tela com uma mensagem da empresa afisando que essas palavras podem estar associadas a grupos e indivíduos perigosos.

Leia também: Twitter lança "Stories"com compartilhamento de fotos e vídeos em tempo real

Depois disso, o internauta será redirecionado do Facebook para a página de uma organização chamada Life After Hate (Vida Após o Ódio, em tradução para a língua portuguesa), que foi fundada por ex-extremistas para ajudar pessoas a abandonar esse tipo de ideia.


    Leia tudo sobre: Facebook Instagram