controle parental arrow-options
Unsplash/McKaela Lee
A presença de crianças na internet tem deixado muitos pais preocupados


Pessoas desconhecidas, sites impróprios, crimes cibernéticos e chances de exposição exagerada. A internet é um território cheio de perigos para crianças e adolescentes, o que tem deixado muitos pais preocupados. 

Um deles é o especialista de tecnologia da informação Leonardo Shikida. Ele confessa que é “bem assustador” pensar em todos os riscos que sua filha, Teresa Shikida, de 10 anos, pode correr navegando na internet. 

É justamente por isso que ele toma todos os cuidados necessários. O controle à navegação de Teresa começou manualmente, quando Leonardo pegava o celular da filha para ver por onde ela tinha navegado.

Depois de perceber que a menina não estava cumprindo com os horários de uso do celular, foi hora de dar um passo a mais: o pai instalou um aplicativo de controle parental no celular da filha. 

Leia também: Menino de oito anos é YouTuber mais bem pago de 2019

Aplicativos de controle parental permitem, como o próprio nome já diz, que os pais controlem os dispositivos eletrônicos de seus filhos. Existem diversos aplicativos que oferecem esse serviço mas, no geral, eles deixam que os pais definam um horário para bloquear as ações no celular da criança e escolham sites e aplicativos que são proibidos de serem acessados pelos pequenos, além de mandarem informações sobre a segurança dos filhos para os pais. É como se o celular dos pais se tornasse um controle remoto que define tudo aquilo que a criança pode, ou não, acessar. 

O que um aplicativo de controle parental faz?

Roberto Rebouças, diretor geral filial brasileira da Kaspersky , empresa internacional de cibersegurança , explica que, no fundo, o que esses programas de controle parental fazem é cumprir “o papel de manter as regras estabelecidas entre os pais e a criança na ausência dos adultos”. 

O diretor ressalta, ainda, que os adultos são tão responsáveis pela cibersegurança das crianças quanto tão pela sua segurança física e, por isso, é preciso sempre estar de olhos abertos. “É importante que a criança seja ensinada a usar a internet e que sua navegação seja sempre acompanhada por um adulto responsável”, afirma. 

Leia também: Papa Francisco dá alerta a empresas de tecnologia sobre proteção de crianças

E as ferramentas de controle parental funcionam como um olho dos pais nos momentos em que eles não podem estar junto dos filhos.

“Com a ajuda da tecnologia , é possível saber se a criança está se interessando por assuntos sensíveis, como droga, álcool ou sexo e usar esses sinais para iniciar uma conversa pessoal para orientá-los sobre estes temas. Também é possível saber a geolocalização da criança ou limitar o tempo de uso do dispositivo, além de protegê-los contra as ciberameaças comuns como phishing ”, resume Roberto. 

Eu devo controlar o celular do meu filho?

Leonardo e Teresa Shikida arrow-options
Arquivo pessoal
"Não disse que gosto, mas entendo˜, diz Teresa, 10 sobre controle do celular pelo pai, Leonardo Shikida

Para Roberto, o principal ponto para o uso dos aplicativos de controle parental é o consentimento da criança.

Para a psicóloga de crianças e adolescentes Lidiane Passarinho, é essencial que os pais estabeleçam um diálogo , lembrando sempre que não estão de olho porque não confiam nos filhos, mas sim porque têm mais conhecimento e precisam acompanhar, e não vigiar. 

“É preciso ir negociando, encontrar o equilíbrio. Porque não adianta dizer que a criança não vai ter acesso [à internet], mas também não pode acontecer um acesso indiscriminado e ilimitado”, aconselha a psicóloga. 

Leia também: Navegar na internet: principal fonte de lazer para 54% dos jovens brasileiros

E é assim que funciona na casa de Leonardo. Ele conta que, na hora de escolher qual aplicativo de controle parental ele utilizaria no celular da filha, uma das questões que levou em conta era que a ferramenta não ficasse “escondida” para a criança. Teresa sabe que o pai tem controle do seu celular e conhece os motivos pelos quais isso acontece. 

“Eu sei que isso é para a minha segurança e para o meu bem, porque eles [os pais] são responsáveis por mim na internet, e na internet tem muita pessoa perigosa que pode tentar me machucar”, afirma a menina. “Eu não disse que eu gosto, mas eu entendo. Talvez, quando eu for um pouco mais adolescente, eu comece a reclamar. Mas por enquanto por mim está tudo bem”, completa. 

“A conversa”

Se antes os pais temiam ter com os filhos a conversa sobre sexo, hoje o bicho de sete cabeças é falar com os pequenos sobre segurança digital . Pelo menos é assim que Leonardo se sente.

“Eu realmente não sei qual é a melhor forma [de falar com a filha]. Eu tento acompanhá-la no processo dela de utilização da internet , mas eu não consegui sentar com ela e ter esse papo, porque eu não consegui pensar em todos os lados, acho que é uma coisa que nós vamos construir juntos”, afirma. 

Leia também: Jovens chineses só poderão jogar games online por 90 minutos diários

O pai levanta, ainda, a questão de que esse é um assunto muito novo e com o qual, muitas vezes, nem os próprios adultos sabem lidar. “Com a internet, a gente tem poder demais na mão, e as crianças também. Mas a gente ainda não sabe usar para a gente, muito menos sabe conscientizar as crianças”, diz Leonardo. 

Lidiane afirma que, mais do que se preocupar com uma conversa formal com os filhos, é importante dialogar sempre e, sobretudo, dar o exemplo . A psicóloga aconselha, por exemplo, que os pais convidem os pequenos a fazerem atividades prazerosas que façam com eles deixem de lado as tecnologias por um tempo. 

Além disso, ela aponta que as crianças aprendem muito por observação. Então, de nada adianta proibir os filhos de utilizarem o celular em certos horários, por exemplo, se os pais não tiram os olhos da telinha. Uma pesquisa da Kaspersky mostrou, por exemplo, que 70% dos pais admitem que passam tempo demais em seus celulares. 

E, embora a responsabilidade dos adultos com a segurança digital das crianças seja grande, o estudo trouxe, ainda, outros dados preocupantes. 52% dos pais entrevistados disseram confiar nos filhos para determinarem seus próprios horários de uso de eletrônicos, enquanto 40% deles afirmaram que não acham necessário supervisionar as atividades online das crianças. 

Leia também: TikTok é processado por coletar dados de crianças sem consentimento dos pais

Os melhores aplicativos de controle parental

Para quem decide instalar um aplicativo de controle parental no celular dos filhos, as opções são bastante variadas. Na hora de escolher, é preciso ver quais características você mais preza, além de conferir o preço, já que a maior parte desses aplicativos é paga.

Alguns deles, porém, oferecem teste gratuito, então vale a pena instalar e checar as funcionalidades antes de bater o martelo na escolha. Confira algumas opções e seus diferenciais:

  • Spyzie : Com versões para Android e iOS, o Spyzie permite que, através de seus celulares, os pais vigiem quase todas as ações nos celulares de seus filhos. Dá para ter acesso às mensagens de aplicativos como WhatsApp, Messenger, Snapchat e Instagram, além de rastrear localização, ver histórico de navegação e receber alertas todas as vezes que os pequenos entrarem em contato com informações sensíveis. Os planos mais básicos começam em R$129,99 por mês. 
  • FamilyTime : O FamilyTime oferece funcionalidades como limitar o tempo de funcionamento do celular e criar filtros para as buscas na web, a fim de banir assuntos como pornografia, além de rastrear a localização. Com o aplicativo, também dá para bloquear apps que não poderão ser instalados. A ferramenta tem versões para Android e iOS, e os planos começam em menos de R$5 por mês por filho. 
  • Qustodio : Com versões para Android e iOS, o Qustodio traz ferramentas como bloqueio de pornografia, relatório de atividades dos filhos na internet, controle do tempo de tela, bloqueio de aplicativos, monitoramento em redes sociais e YouTube e rastreamento de localização com botão de pânico para momentos de emergência. O aplicativo tem versão gratuita, mas os recursos são limitados. Os planos premium começam em R$6,58 ao mês.
  • Norton Family Premier : A opção da Norton oferece controle de tempo gasto no dispositivo e relatórios dos sites que os pequenos acessam, além de proteger os dados das crianças e oferecer uma navegação mais simples. Disponível apenas para Android, o plano custa R$39 ao ano.
  • Kaspersky Safe Kids : Esse aplicativo foi o escolhido por Leonardo para monitorar o acesso da filha, e permite definir o horário em que o dispositivo irá funcionar, além de monitorar as comunicações em aplicativos, bloquear o acesso a sites indevidos, gerenciar o acesso a aplicativos e jogos e rastrear a localização. Disponível tanto para Android quanto para iOS, o Safe Kids tem versão gratuita com recursos limitados, e a opção premium custa R$44,91 ao ano. 
  • Google Family Link : A Google também criou um aplicativo de controle parental e, com ele, os pais conseguem ver em quais aplicativos as crianças mais gastam tempo, aprovar ou impedir downloads de novas aplicações e recomendar apps e jogos educativos. Também é possível definir limites de tempo ou bloquear o dispositivo da criança, além de rastrear sua localização. O Family Link tem versões Android e iOS e o download é gratuito.

    Veja Também

      Mostrar mais