Google e Apple
shutterstock
Aplicativos de rastreamento da doença serão criados por governos


Apple e Google anunciaram, nesta quarta-feira (20), o lançamento do sistema de rastreamento do novo coronavírus (Sars-Cov-2). As APIs (conjunto de padrões do software) foram liberadas para que governos consigam construir seus próprios aplicativos. 

Por enquanto, 22 nações requisitaram e receberam a tecnologia, como Alemanha, Holanda e Uruguai. Nas próximas semanas, o sistema deve chegar a mais países, sendo implementado por fases. O Brasil ainda não foi contemplado. 

Leia também: Mais privacidade: para rastrear coronavírus, Google e Apple impedem uso de GPS

Apple e Google não divulgam um aplicativo pronto, mas sim um sistema que permite que os governos contruam apps personalizados para cada país. O objetivo da tecnologia é rastrear a disseminação do novo coronavírus através do Bluetooth

Funciona assim: toda vez que duas pessoas ficam em contato por mais de cinco minutos (o que é percebido pelo Bluetooth), os aplicativos de ambas registram esse contato, que fica salvo na plataforma por 14 dias. Se algum dos seus contatos recentes avisar ao app que foi diagnosticado com Covid-19 , você receberá uma notificação. Assim, as pessoas podem se proteger e os governos podem acompanhar a disseminação da doença. 

Tudo isso, porém, é feito pensando na privacidade dos usuários. Todos devem consentir em compartilhar esses dados, os sistemas de geolocalização não são utilizados e os usuários não ficam sabendo quem é o contato infectado pela doença no momento em que recebem a notificação. 

    Veja Também

      Mostrar mais