Olhar Digital

Google Apple coronavírus
Unsplash/Gilles Lambert
Aplicativos que rastreiam coronavírus não poderão usar GPS


Apple e Google definiram uma medida importante de privacidade para sua tecnologia de rastreamento de contatos usada para monitorar o contágio pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Organizações que utilizarem a ferramenta, que depende do Bluetooth dos smartphones, não podem pedir permissão para acessar dados de GPS dos celulares.

A ideia das empresas é fornecer esse recurso para agências governamentais de saúde pelo mundo. Ficará a cargo delas criarem os apps que devem ser instalados pelos cidadãos de seus respectivos países de forma voluntária. Assim, as pessoas podem saber se outros que têm o app instalado e foram diagnosticados com Covid-19 estiveram em contato próximo, graças a um registro de antenas Bluetooth coletadas pelo smartphone .

Leia também: Apple e Google liberam primeira versão do sistema de rastreamento de coronavírus

As empresas reforçaram que uma parte importante da tecnologia seria impedir que governos utilizassem esses aplicativos para quaisquer outras finalidades, e isso inclui a coleta de outras informações sobre os cidadãos. Para isso, foi necessário bloquear o acesso dos aplicativos aos dados de GPS .

Desenvolvedores não estão satisfeitos com essa decisão da Apple e do Google . Segundo a Reuters , eles dizem que o uso de GPS seria importante para detectar áreas com grande chance de contágio. As empresas, porém, mantém sua posição: se agências de saúde quiserem coletar dados de localização, precisarão recorrer a outros métodos, descritos como mais instáveis e que consomem mais bateria do celular.

Leia tamém: Tecnologia brasileira consegue monitorar uso de máscaras

É o que algumas organizações já estão fazendo. O Reino Unido, por exemplo, optou por desenvolver um aplicativo próprio, que não dependa da tecnologia de Apple e Google. Nos Estados Unidos, o estado de Utah está seguindo o mesmo caminho: sem recorrer às ferramentas das empresas, o app consegue usar o Bluetooth de smartphones e associá-lo a informações de GPS, como relata a publicação. Já no Canadá, a província de Alberta também se manteve distante das soluções nativas do iPhone e do Android e desenvolveram tecnologia própria, mas sem coletar dados de GPS.

As empresas também reforçaram que apenas um aplicativo por país poderá usar o sistema de contatos. O objetivo é evitar a fragmentação: se dois ou mais apps utilizarem a tecnologia, é possível que as diferentes bases de usuários sejam incapazes de se comunicar, reduzindo sua eficácia. Com apenas um aplicativo, a base é unificada e a adoção em massa é encorajada.

    Veja Também

      Mostrar mais