Engenheiros da Nasa com o CUTE, satélite com formato de uma caixa de cereal
Divulgação/Nasa
Engenheiros da Nasa com o CUTE, satélite com formato de uma caixa de cereal

A agência espacial norte-americana (Nasa) lançou nesta segunda-feira (28) um satélite do tamanho de uma caixa de cereal para investigar exoplanetas conhecidos como "Júpiteres quentes". O CUTE, sigla em inglês pela qual é chamado, passará sete meses acompanhando fenômenos físicos que acontecem em suas órbitas.

Trata-se do primeiro satélite cúbico financiado pela Nasa que foi enviado ao espaço. Ao longo da missão, ele vai coletar a velocidade com que os gases estão escapando do maior número possível de exoplanetas. As descobertas devem ajudar os cientistas a entender sua formação e evolução durante bilhões de anos.

O CUTE foi lançado de uma base na Califórnia carregado pelo foguete Atlas V junto com o satélite Landsat 9, o mais novo para observação da Terra. Com ele, a Nasa dará continuidade a um programa de 50 anos que coleta imagens do planeta desde 1972. A expectativa é que ele fique posicionado a uma altitude de 705 km, em uma órbita de onde consiga cobrir os polos da Terra.

O Landsat 9 é parecido com seu antecessor, embora conte com novidades em seus instrumentos. A previsão é que o satélite inicie suas operações em janeiro, quando vai substituir o Landsat 7. Ele poderá obter imagens da Terra a cada 16 dias e poderá operar por pelo menos 15 anos.

A missão visa monitorar a Terra para gerenciar melhor os recursos do planeta. Segundo cientistas, o satélite permite analisar informações sobre vegetação, uso de solo, litorais ou água de superfície, por exemplo. Combinados com os de outros satélites, os dados possibilitam prever gestão do uso de água, níveis de produção de alimentos e até antecipar possíveis períodos de seca.

Além do Landsat 9 e do CUTE, foram enviados outros três satélites chamados de CubeSeat (aqueles que possuem formato cúbico), entre eles um que vai medir as emissões de raios-X das partículas de vento solar que colidem com a atmosfera terrestre.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários