Tecnoblog

Facebook Instagram
Unsplash/Brett Jordan
Entenda quais são as prioridades do Facebook

Às vezes sinto que o Facebook parece um Frankenstein, com um mar de conteúdo, e é natural que a gente se perca um pouco. Para ajudar, a rede social faz muitas recomendações na expectativa de revelar novas comunidades e conteúdos que acreditam ser do meu, do seu, do nosso interesse — mas, como escolhem quais?

Alguns exemplos das recomendações no Facebook são Páginas que você talvez curta, Publicações para você no Feed de Notícias, Pessoas que você talvez conheça ou Grupos dos quais você deve participar. No Instagram , passa pelas seções de Explorar, Contas das quais talvez você goste e o Descobrir do IGTV. Tudo é orientado por alguns fatores.

Dois pontos são importantes na hora de orientar as recomendações:

  • histórico de acesso na rede social;
  • ações (reações em geral, grupos que participa, amigos e etc);

"Sugerimos páginas, grupos, eventos e muito mais com base no conteúdo em que você demonstrou interesse (no passado) e nas ações que realiza em nossos aplicativos. Personalizamos as recomendações para garantir que sejam relevantes e valiosas".

"Nosso objetivo é personalizar as recomendações para que cada pessoa receba recomendações exclusivas. Se você e outra pessoa têm amigos do Facebook em comum, podemos sugerir essa pessoa como um novo amigo em potencial".

"Ou, se você interagir com restaurantes e livrarias no Instagram, podemos recomendar conteúdo sobre comida, receitas, livros ou leitura", diz o documento referente à rede.

Como são escolhidos os posts recomendados 

A rede social reconhece que as recomendações podem fazer com que os usuários descubram coisas adoráveis. Mas, como o conteúdo recomendado não vem de contas que você escolhe seguir, "é importante que haja padrões para o que recomendamos".

O que fazem esses padrões?

Guy Rosen, vice-presidente de integridade do Facebook , diz que eles ajudam a garantir a não recomendação de conteúdo potencialmente sensível para quem não indicou explicitamente que deseja vê-lo. Mesmo não recomendado, ainda é permitido.

"Nós apenas não o mostraremos em lugares onde recomendamos conteúdo", explica.

Para determinar qual conteúdo está qualificado para aparecer nas recomendações, existem as "Diretrizes de Recomendação". O Facebook tornou, em agosto de 2020, essas diretrizes públicas na Central de Ajuda, dando um contexto sobre por que alguns tipos de conteúdo não são impulsionados (o que pode afetar os seus criadores também).

Quem desenvolveu essas diretrizes?

Foram consultados 50 especialistas e líderes em sistemas de recomendação, expressão, segurança e direitos digitais para ajustar o recurso a uma experiência segura e positiva.

Os posts não recomendados por Facebook e Instagram

Sem mais enrolação... Há cinco categorias de conteúdo permitidas em ambas plataformas, mas que, nem sempre, estão 100% qualificadas para aparecer entre os posts recomendados.

Conteúdo que impede a promoção de uma comunidade segura:

  1. Conteúdo que discute autoagressão, suicídio ou distúrbios alimentares;
  2. Conteúdo que retrata violência, como pessoas brigando;
  3. Conteúdo que pode ser sexualmente explícito ou sugestivo, como fotos de pessoas com roupas transparentes;
  4. Conteúdo que promove o uso de certos produtos (mesmo regulamentados), como tabaco ou produtos de vaping, produtos e serviços para adultos ou medicamentos;
  5. Conteúdo compartilhado por qualquer conta não recomendável (Grupos ou Páginas).

Conteúdo de teor delicado ou de baixa qualidade sobre saúde ou finanças:

  1. Conteúdo que promove ou descreve procedimentos cosméticos;
  2. Conteúdo com declarações exageradas de saúde, como “curas milagrosas”;
  3. Conteúdo que tenta vender produtos ou serviços com base em declarações de saúde, como a promoção de um suplemento para ajudar uma pessoa a perder peso;
  4. Conteúdo que promove modelos de negócios enganosos ou tendenciosos, como empréstimos salariais ou investimentos “sem risco”.

Conteúdo que os usuários sabidamente não gostam:

  1. isca de cliques (click-bait);
  2. isca de engajamento (curte e compartilha);
  3. que promove um concurso ou um sorteio.
  4. que inclui links para páginas de destino ou domínios de baixa qualidade ou enganosos, como páginas repletas de anúncios maliciosos ou de isca de cliques.

Conteúdo associado a anúncios de baixa qualidade:

  1. Conteúdo não original que é amplamente reaproveitado de outra fonte sem agregar valor material;
  2. Conteúdo de sites que obtêm um número desproporcional de cliques do Instagram em relação a outros lugares na web;
  3. Conteúdo de notícias que não inclui informações explícitas sobre a autoria ou a equipe editorial da agência de notícias.

Conteúdo falso ou enganoso:

  1. Conteúdo que inclui declarações que foram consideradas falsas por verificadores de fatos independentes;
  2. Desinformação relacionada a vacinas que foi amplamente refutada pelas principais organizações globais de saúde;
  3. Conteúdo que promove o uso de documentos fraudulentos, como uma pessoa que compartilha uma publicação sobre o uso de um documento de identidade falso.

Lembrando que os mesmos posts , quando sinalizados por usuários ou robôs , também podem ser retirados em função de violar os termos de uso dessas redes sociais .

Sobre recomendações de contas e perfis

Há, ainda, recomendações sobre contas (e não apenas o conteúdo publicado por elas).

Não são recomendadas contas que:

  1. Violaram recentemente as Diretrizes da Comunidade do Instagram ou da Comunidade do Facebook;
  2. Compartilham de maneira recorrente e/ou compartilharam recentemente conteúdo não recomendável;
  3. Publicaram de maneira recorrente desinformação relacionada a vacinas que foi amplamente refutada pelas principais organizações globais de saúde;
  4. Usaram repetidamente práticas enganosas para aumentar o número de seguidores, como a compra de “curtidas”;
  5. Foram proibidas de veicular anúncios nas plataformas por algum motivo;
  6. Publicaram recente e repetidamente informação falsa, conforme determinado por verificadores de fatos independentes ou determinadas organizações especializadas;
  7. Estão associadas a movimentos ou organizações offline ligadas à violência.

Todas essas medidas acabam, no fim das contas, reduzindo o alcance desses posts. Lembrando que nem todo conteúdo permitido estará qualificado para recomendação.

As diretrizes sobre posts recomendados (ou não) em várias seções da plataforma fazem parte de uma estratégia ainda maior das redes sociais para gerenciar conteúdo problemático nos aplicativos do grupo Facebook que data de 2016, chamada de “remover, reduzir e informar” e inclui outras iniciativas de moderação de conteúdo.

    Veja Também

      Mostrar mais