Tecnoblog

John McAfee, dono da empresa de software McAfee
Gage Skidmore/Flickr
John McAfee, dono da empresa de software McAfee


John McAfee , programador e fundador da empresa de software McAfee Associates, foi acusado formalmente de fraude em um esquema de criptomoedas nesta última sexta-feira (5) pelo Departamento de Justiça americano. Ele, junto de seu conselheiro executivo e guarda-costas, ganharam quase US$ 2 milhões ao pedir a usuários no Twitter que investissem em altcoins desconhecidas enquanto eles vendiam seus próprios ativos quando os preços eram inflados por seus seguidores.

A procuradora dos EUA Audrey Strauss afirmou em comunicado que os acusados “exploraram uma plataforma de mídia social amplamente usada e o entusiasmo entre os investidores do mercado emergente de criptomoedas para ganhar milhões por meio de mentiras e engano”. Dentre as altcoins promovidas no esquema, estão a Reddcoin (RDD), Dogecoin (DOGE) e Electroneum (ETN).

De uma maneira mais simples, McAfee e associados incentivavam a compra de criptomoedas pouco conhecidas na época, esperavam sua influência causar um aumento na demanda dos ativos digitais e então eles vendiam seus próprios montantes quando os preços disparavam. Os influenciados, por sua vez, ficavam quase sempre no prejuízo. O FBI conseguiu os DMs não criptografadas do Twitter de McAfee nos quais ele discutiu, em detalhes, seus vários esquemas com seus colaboradores.

Você viu?

Acusados usaram conta verificada da McAfee do Twitter

O problema, dizem os promotores, é que McAfee tentou aumentar a eficácia de seus endossos alegando falsamente que não tinha interesse financeiro em suas recomendações. O governo diz que isso tornou suas ações uma violação dos estatutos federais de fraude. Em outros casos, os acusados eram pagos por empresas para promover as criptomoedas e deliberadamente escondiam isso dos seguidores.

“Os réus supostamente usaram a conta do Twitter da McAfee para publicar mensagens para centenas de milhares de seus seguidores na rede social, divulgando várias criptomoedas por meio de declarações falsas e enganosas para ocultar seus verdadeiros motivos de interesse próprio”, concluiu Strauss.

O esquema aconteceu através da conta verificada da McAfee no Twitter entre dezembro de 2017 e outubro de 2018. Através de um sistema de divulgação de "moedas do dia"e "moedas da semana" na rede social, os acusados atingiram cerca de 1 milhão de seguidores com publicações enganosas.

Os promotores dizem que por volta de 20 de dezembro de 2017, McAfee comprou mais de US$ 100.000 na moeda digital desconhecida Electroneum (ETN). No dia seguinte, ele tuitou que o ativo digital era "o Santo Graal das criptomoedas", configurando uma forma de manipulação de mercado de má-fé através de influência em redes sociais , prejudicando os seguidores que cairam nas recomendações dos réus.

Segundo o comunicado, McAfee e seu guarda-costas Jimmy Gale Watson enfrentam sete acusações, cada uma delas levando entre 5 e 20 anos de prisão. Entre elas estão: fraude eletrônica, fraude em commodities e valores mobiliários e lavagem de dinheiro.

McAfee está preso na Espanha

McAfee está sob custódia na Espanha desde sua prisão em um aeroporto de Barcelona em outubro de 2020. Ele também enfrenta um pedido de extradição para os Estados Unidos desde que foi acusado por evasão fiscal por não apresentar suas declarações de imposto de renda por vários anos. As novas acusações de fraudes devem reforçar os pedidos para que o empresário responda em solo americano aos processos criminais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários