Tecnoblog

Yahoo é vendido junto com AOL
Divulgação
Yahoo é vendido junto com AOL

O Yahoo e a AOL são relíquias da web dos anos 90 que perduram até hoje e ainda valem uma boa grana: as duas empresas foram vendidas por US$ 5 bilhões para a Apollo Global Management, empresa de private equity que é dona de um cassino em Las Vegas e de uma varejista de itens de artesanato.

A história da AOL e do Yahoo é bem tortuosa: em seu ápice, as duas empresas chegaram a valer US$ 200 bilhões e US$ 125 bilhões, respectivamente. A operadora americana Verizon comprou a AOL em 2015 por US$ 4,4 bilhões, e levou o Yahoo dois anos depois por mais US$ 4,5 bilhões.

Você viu?

A estratégia era diversificar a fonte de receita: a Verizon não queria depender apenas de planos de internet e banda larga, então apostou na venda de anúncios online - e acabou tendo dificuldade em concorrer com Google e Facebook . A Verizon Media, união do Yahoo com AOL, já vinha se desfazendo de alguns ativos: ela migrou o Flickr para a plataforma de fotógrafos SmugMug em 2018; repassou o Tumblr para a dona do WordPress em 2019; e vendeu o Huffpost (antes chamado Huffington Post) para o Buzzfeed no ano seguinte. O  Yahoo Respostas deixará de existir na próxima terça-feira (4).

Vale notar, no entanto, que a Verizon Media ainda gerencia diversos sites especializados com boa audiência, como o Engadget , o TechCrunch e o Yahoo Sports . Ela teve faturamento de US$ 1,9 bilhão no primeiro trimestre de 2021, alta de 10% em relação ao mesmo período do ano passado. Ou seja, a nova dona ainda terá a oportunidade de ganhar bastante dinheiro com essa aquisição.

Yahoo e AOL têm nova dona

A Apollo Global Management investe em diferentes setores, com o objetivo de aumentar o valor da empresa para revendê-la ou abrir o capital na bolsa de valores. Nos últimos meses, ela comprou o famoso resort Venetian em Las Vegas num acordo de US$ 6,25 bilhões; e adquiriu a Michaels, que vende produtos de artesanato, por mais US$ 5 bilhões.

Leon Black, cofundador da Apollo, deixou o cargo de CEO em março após o New York Times revelar que ele pagou US$ 158 milhões a Jeffrey Epstein para encontrar formas de pagar menos impostos. Epstein foi preso em 2019 sob acusação de tráfico sexual de menores e morreu na cadeia; há quem questione a versão oficial de que ele tirou a própria vida.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários