Celulares não homologados pela Anatel serão bloqueados dos market places
Unsplash
Celulares não homologados pela Anatel serão bloqueados dos market places

Com preços de eletrônicos cada vez mais altos, muita gente recorre a importados. Esses produtos não passam pelo mesmo processo de certificação que os vendidos oficialmente por aqui. Por isso, a Anatel tem pedido que marketplaces combatam essa prática. As donas de Americanas, Submarino, Shoptime, Ponto, Casas Bahia e Extra foram as primeiras a fazer ajustes em suas plataformas com esse objetivo.

O Grupo Via — que detém os direitos das marcas Casas Bahia, Extra e Ponto — agora permite apenas o cadastro de produtos homologados pela agência. Os vendedores precisam incluir o código de homologação de cada modelo, e a informação é validada em uma base de dados.

Caso o registro não seja encontrado, é exibido um alerta, dizendo que vender produtos de telecomunicações que não passaram para agência é ilegal.

Leia Também

As lojas do grupo Americanas — Americanas.com, Submarino e Shoptime — também farão essa verificação. Inicialmente, a prática vai valer para celulares e smartphones, mas a empresa se comprometeu a fazer a regra valer para toda a linha de telecomunicações até o fim do ano.

A Anatel diz ter enviado, em maio deste ano, um comunicado a dez plataformas digitais sobre venda e publicidade de produtos sem homologação. A agência lembra que a comercialização e o uso de aparelhos não homologados pode gerar advertência e multa.

Mercado cinza vende quase 4 milhões de celulares no Brasil

A alternativa por canais paralelos cresceu bastante nos últimos anos. Em 2019, dados da consultoria IDC Brasil mostravam um aumento de 344% no mercado cinza de smartphones. Dados mais recentes, porém, apontaram para uma queda discreta, de 27%. A empresa estima que aproximadamente 4 milhões de celulares serão vendidos no grey market em 2021.

Os smartphones são um exemplo notável, mas passam longe de ser o único produto que faz sucesso nas importações não declaradas e não homologadas. A IDC Brasil calcula que 60% dos fones sem fio e smartwatches vendidos no Brasil em 2021 foram importados de maneira irregular.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários