Tamanho do texto

Vírus bloqueia computadores e pede resgate para a liberação; medidas básicas de segurança podem evitar boa parte dos ataques desse tipo

O tipo de ataque cibernético que afetou sistemas em mais de 70 países nesta sexta-feira (12) também pode atingir usuários comuns. Segundo a Kaspersky, empresa de segurança digital, a campanha maliciosa, que pode ter atingido sistemas da Petrobras, do Itamaraty e do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), foi realizada por meio de um vírus do tipo "ransomware", que bloqueia o computador da vítima e pede uma espécie de resgate para liberar o conteúdo.

Leia também: Megaciberataque mundial atinge sistemas no Brasil e em mais de 70 países

Quando vítimas, as empresas são prejudicadas com a perda temporária ou até mesmo permanente de suas informações, interrupção de serviços regulares, além de danos à reputação e perda de confiança do cliente. Porém, é importante lembrar que o ataque via ransomware também costuma ser realizado em máquinas de usuários comuns.

Use sempre utilizar sistemas originais e procure manter o sistema configurado para receber atualizações automáticas
iStock
Use sempre utilizar sistemas originais e procure manter o sistema configurado para receber atualizações automáticas

Leia também: Entenda como são realizados os golpes do vale-presente no WhatsApp

Pensando nisso, separamos sete recomendações de Reinaldo Borges de Freitas, diretor de TI da Soluti, empresa especializada em segurança digital. Segundo ele, a proteção contra esse tipo de vírus não é algo tão complicado de ser feito e exige apenas que medidas básicas de segurança sejam colocadas em prática. Confira:

1. Use apenas sistemas originais e procure manter o sistema configurado para instalar atualizações de forma automática. Se desejar atualizar manualmente, lembre-se de checar pelo menos uma vez por dia se há alguma correção;

2. Utilize um antivírus de confiança;

3. Mantenha em dia o backup de seus dados. O mais indicado é manter os arquivos salvos na nuvem ou em um HD externo que fique desconectado da máquina que você utiliza;

4. Faça uma configuração correta de equipamentos e sistemas, incluindo equipamentos de rede, como roteadores. Estes dispositivos costumam ter uma senha padrão . O mais seguro é criar uma nova senha e ativar proteções de segurança contra ataques;

5. Utilize proteções oferecidas pelo máquina, como firewall , por exemplo. Elas são capazes de identificar tentativas de invasão ou comportamentos estranhos na rede;

6. Utilize o computador e o smartphone de forma consciente e por meio de navegação segura . Neste caso, é importante checar o site possui certificado SSL, fazendo com o que o site tenha um "https" no início do seu endereço. Ele importante pois identifica se o site é verdadeiro ou uma máscara, evitando roubo de dados; 

7. Caso seja vítima de um ataque por meio de ransomware, há uma iniciativa que colocar o "antídoto" capaz de recuperar os arquivos. Conhecida como " No More Ransom ", a ação pode ajudar se o ataque tiver sido gerado por um vírus já conhecido. Ele consegue recuperar o conteúdo bloqueado sem o usuário precise pagar o valor pedido pelos cibercriminosos.

Leia também: Crime cibernético: veja o que fazer para não ser mais uma vítima

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.