Tamanho do texto

Teste no Galaxy Fold usou um robô capaz de dobrar o smartphone 6 vezes por minuto; a promessa era resistir a 200 mil dobras, mas o celular parou de funcionar com 120 mil

Olhar Digital

Galaxy Fold arrow-options
Divulgação/Samsung
O Galaxy Fold demorou, mas chegou ao mercado.


O Galaxy Fold , primeiro smartphone dobrável da Samsung , falhou em um teste de resistência organizado pelo site CNet . O aparelho deixou de funcionar depois de ser dobrado 120 mil vezes , quando segundo a Samsung deveria resistir a 200 mil dobras.

Para medir a resistência a equipe da CNet , em parceria com a SquareTrade, empresa especializada em seguros para smartphones , colocou o aparelho em uma máquina chamada “FoldBot”, capaz de dobrar o smartphone 6 vezes por minuto . Todo o teste foi transmitido ao vivo no YouTube , num total de 11 horas e 55 minutos de duração.

Leia também: Dobrável para todo o mundo: sucessor do Galaxy Fold terá lançamento global

Após 40 mil dobras, o equivalente a um ano de uso, o smartphone não apresentava nenhum dano, exceto por pequenas marcas na borda interna da carcaça. Após 119.380 dobras metade da tela parou de funcionar, e com 120.169 dobras os danos foram ‘fatais’: o aparelho deixou de funcionar completamente e a dobradiça perdeu a integridade.

Isso equivale a três anos de uso, segundo os cálculos da própria Samsung . Nada mal, considerando que a natureza ‘acelerada’ do teste pode ter prejudicado a longevidade dos materiais.

Leia também: Microsoft cria celular com duas telas e suporte para Android; veja as fotos

Este é o segundo teste de resistência que a SquareTrade faz com seu ‘FoldBot’. No primeiro, o smartphone sobreviveu sem maiores problemas após ser dobrado 120 mil vezes. Entretanto, suas telas morreram instantâneamente após duas quedas, uma com o aparelho aberto e outra fechado.