Tamanho do texto

O aplicativo Like Patrol age através do Instagram, fornecendo informações sobre usuários; a rede social pediu o encerramento do app, alegando violação de suas políticas

Olhar Digital

instagram arrow-options
shutterstock
Instagram exige o encerramento de aplicativo para stalkear usuário


O aplicativo " Like Patrol ", como o próprio nome sugere, possui a função de monitorar a interação dos amigos de um usuário nas redes sociais , recurso semelhante ao que o Instagram fornecia com a aba " Seguindo ", retirada do ar no início de outubro . O novo app chamou a atenção das pessoas por terceirizar a função anteriormente utilizada pelo Instagram , o que levou alguns críticos a chamar a atividade de  stalkware , ou ao menos flertar com este tipo de espionagem. 

Após uma notificação da CNET de que o app estaria utilizando ferramentas de monitoramento na rede social , o Instagram enviou um pedido de cessação e desistência à empresa, alegando uma violação em suas regras. O "Patrol" foi lançado em julho deste ano, e possui uma assinatura semanal de US$ 2,99 e anual de US$ 80. 

Leia também: Instagram remove filtros de 'cirurgia plástica' da rede social

"Isso viola nossas políticas e tomamos medidas contra as empresas que consideramos envolvidas. Como a Patrol estava compartilhando os dados das pessoas, estamos tomando as medidas apropriadas contra elas", disse um porta-voz do Facebook .

Os aplicativos stalkware podem rastrear e enviar dados de localização, contatos e registros de chamadas e mensagens. O "Patrol" não fornece dados que corroborem com a nomenclatura, mas se assemelha ao título devido à finalidade de uso, que incentiva as pessoas a monitorar as atividades de outras . "Ele está monitorando as atividades de uma pessoa, compilando-a e enviando-a como um relatório", disse Wendy Zamora, chefe da empresa de segurança cibernética Malwarebytes. 

Leia também: Instagram lança ferramenta contra bullying e assédio; saiba como usar

O fundador do "Patrol", Sergio Luis Quintero, argumenta que as informações são dados públicos e, por isso, podem ser usadas. Em seu site, a empresa escreveu: "Cara novo? Garota nova? O que eles estão fazendo no Instagram?". A declaração é explícita ao dizer para espionar os parceiros amorosos, o que pode levar a relacionamentos abusivos. 

O app também envia notificações sempre que alguém que o usuário segue curtir alguma publicação ou um comentário. Ele divide as informações por gênero e fornece uma lista com contas que o usuário espionado mais interage. Além disso, o "Patrol" afirma ter um algoritmo que reconhece quando uma pessoa curte alguma publicação de alguém considerado atraente

'Seguindo'

Apesar do Instagram não ter inventado o "Patrol", as ferramentas usadas pelo app são semelhantes às utilizadas pela rede social desde 2011, quando criou a aba " Seguindo ". Nele, o usuário poderia ter acesso às atividades recentes de seus seguidores, como quem eles começaram a seguir ou que foto curtiram. 

Leia também: Sem fofoca: Instagram tira aba “seguindo” do aplicativo

" O Facebook construiu essa cultura . Os aplicativos estão apenas atendendo às necessidades do público, que agora foi atendida", disse Jennifer Grygiel, professora assistente da Syracuse University, que estuda mídias sociais. 

Assim que removeu o recurso de sua plataforma, o Instagram também se livrou dos dados necessários para construir o algoritmo. Quintero, então, revelou que sua equipe desenvolveu um algoritmo próprio para verificar o dinamismo das pessoas na rede. 

O fundador defendeu o aplicativo dizendo que ele pode afastar as pessoas que usam o Instagram da rede social e, assim, melhorar a privacidade dos relacionamentos. "Nossa esperança a médio e longo prazo é que, se um número suficiente de pessoas souber de nossa existência, elas possam pensar duas vezes antes de se comportar de maneira inadequada", disse. 

    Leia tudo sobre: Facebook instagram