Tamanho do texto

Depois do vazamento de dados de 24 milhões de clientes da Vivo, a operadora corrigiu a falha de segurança; agora, outra vulnerabilidade foi encontrada no sistema da empresa

Olhar Digital

dados arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Outro vazamento de dados de clientes Vivo foi identificado


Na última segunda-feira (04), o Olhar Digital reportou com exclusividade uma falha de segurança no portal de serviços da Vivo que deixou exposto os dados de pelo menos 24 milhões de assinantes da operadora. O problema foi descoberto e identificado pelo grupo de pesquisadores WhiteHat Brasil. No dia seguinte, a própria Vivo reconheceu a falha e anunciou que havia resolvido a grave vulnerabilidade na plataforma de serviços "Meu Vivo”.

O problema é que nesta quinta-feira (07), uma nova denúncia anônima, feita mais uma vez com exclusividade ao Olhar Digital, mostrou que os dados dos clientes da Vivo continuam desprotegidos e abertos . Desta vez, segundo a denúncia, a falha está na API do serviço "Meu Vivo Fixo". Segundo o pesquisador que encontrou a nova brecha, essa API é basicamente um banco de dados que retorna as informações dos usuários cadastrados no site da operadora.

Leia também: 24 milhões de clientes da Vivo têm seus dados vazados

A vulnerabilidade foi descoberta há mais de um mês. Na época, o usuario chegou a enviar um e-mail relatando com detalhes a falha para a operadora. Mas a Vivo ignorou o alerta. O problema persiste na plataforma e todos os dados dos clientes continuam vulneráveis e abertos . Em nota, a Vivo diz que está apurando o caso.

Também nesta quinta-feira, segundo o jornal O Estado de São Paulo , a Telefônica Brasil recebeu cobranças de esclarecimento por parte da Fundação Procon e da Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel . Os dois órgãos cobram explicações da operadora sobre o caso de vazamento de dados pessoais de seus clientes. A Telefônica tem 15 dias para responder. Com base no Código de Defesa do Consumidor, a multa pode chegar a R$ 10 milhões.