Olhar Digital

Google Chrome
Unsplash/Nathana Rebouças
Google Chrome ainda não dá total privacidade no modo anônimo


O Google ainda não cumpriu uma promessa feita há quase um ano, de que iria criar uma forma de impedir que sites detectassem sessões do navegador Google Chrome em modo anônimo .

Muitos usuários recorrem a sessões em modo anônimo para contornar paywalls, barreiras que exigem pagamento para visualização de um conteúdo, comuns em grandes jornais. Além disso, o modo pode ser usado para burlar filtros de região ou técnicas de rastreamento usadas por sites para identificar os usuários e monetizar o tráfego através da exibição de anúncios.

Como isso afeta a rentabilidade dos sites, muitos deles desenvolveram métodos para detectar uma sessão anônima e bloquear o acesso do usuário. No Chrome , isso era feito verificando a existência de funções para acesso ao sistema de arquivos do navegador. Como este recurso era bloqueado no modo anônimo, sua “ausência” era um indicador confiável usado pelos sites.

Leia também: Google é acusada de roubar dados dos usuários; entenda

O Google via isso como um problema, e a partir da versão 76 do Chrome habilitou as funções de acesso ao sistema de arquivos no modo anônimo, numa tentativa de burlar os scripts de detecção. A medida funcionou, mas apenas por um tempo: em menos de uma semana os desenvolvedores descobriam que há um limite de 120 MB na quantidade de dados que sites em modo anônimo podem acessar, e agora verificam esse limite.

Novos scripts de detecção foram desenvolvidos, e logo se espalharam até mesmo por grandes sites, como o do NY Times. O problema é grave, pois o Chrome serve de base para muitos outros navegadores. Entre eles o novo Microsoft Edge, Vivaldi, Brave e Opera. Ou seja, mesmo quem não usa o Chrome pode ser afetado por esta brecha.

Em uma declaração ao site Bleeping Computer no ano passado, o Google prometeu uma solução, algo que não foi feito até agora. Corrigir o problema pode render à empresa boa-fé entre os usuários que valorizam sua privacidade e não querem ter serviço negado só por ativar um recurso que é comum no navegador mais popular da atualidade.

    Veja Também

      Mostrar mais