teclado
shutterstock
Novo teclado avisa sobre termos racistas

“Denegrir”, “mercado negro” ou “cor do pecado” são palavras e expressões presentes na nossa língua, mas que carregam o peso da história escravista e racista do país. Pensando nisso, a operadora TIM lança nesta sexta-feira (20), Dia da Consciência Negra , o Teclado Consciente, que alerta quando esses termos são digitados em tablets e smartphones .

"A gente usa termos que nem sabemos que têm cunho preconceituoso", diz Ana Paula Castello Branco, diretora de Advertising e Brand Management da TIM. "A nossa intenção é usar a tecnologia para ajudar no combate ao racismo estrutural no país"

Como exemplo, Ana Paula cita o “criado-mudo”, termo usado para designar a mesa de cabeceira, tipo de móvel colocado ao lado da cama, mas que faz referência a uma das tarefas realizadas pelos escravos: segurar objetos para seus senhores, proibidos de falar.

Ao todo foram listadas 225 palavras e expressões com cunho racista, em estudo realizado por uma consultoria que já atua com a operadora na questão da diversidade. Funcionários também participaram da pesquisa pelos termos.

O Teclado Consciente está disponível na Google Play , para aparelhos Android , e App Store , para dispositivos Apple , e poderão ser instalados por qualquer pessoa, independente da operadora.

Segundo Ana Paula, ele funciona de forma parecida com os corretores ortográficos. Quando os termos listados são digitados, o teclado alerta e sugere outras palavras. Além disso, oferece uma explicação sobre o porquê do racismo .

teclado
Divulgação/TIM
Teclado oferece sugestões para termos racistas

A ideia é que o racismo seja apenas o primeiro tema abordado pelo Teclado Consciente , até por isso ele não foi batizado como teclado antirracista. No futuro, diz Ana Paula, outras questões relacionadas à diversidade devem ser levadas para o aplicativo.

"O teclado deve evoluir para outras causas, como a LGBTQI ", afirma. "Queremos que ele aumente o vocabulário para alertar expressões pejorativas que atinjam outras minorias".

    Veja Também

      Mostrar mais