Tamanho do texto

Além da maior qualidade de imagem e som, sinal digital - diferente do analógico - permitirá convergência de mídias e transferência de dados;

Brasil Econômico

Nesta terça-feira (28) o Grupo de implantação da TV Digital (Gired) validou, durante uma reunião, a condição para o desligamento do sinal analógico na Grande São Paulo na próxima quarta-feira (29).

No encontro sediado na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) foi apresentado - por meio da pesquisa Ibope - que 92% dos domicílios da região metropolitana estarão aptos para receber a TV Digital .

Leia também: Prefeitura de São Paulo firma parceria para informar população sobre TV digital

Sinal analógico apenas propaga áudio e vídeo, a TV digital dá margem para a ampliação das mídias convergentes
shutterstock
Sinal analógico apenas propaga áudio e vídeo, a TV digital dá margem para a ampliação das mídias convergentes





Por mais que a grande maioria já esteja preparada para a transição, a mudança do sinal analógico para o digital ainda é alvo de muitas dúvidas. Afinal o quê de fato será mudado? Por que a novidade é melhor? E de fato, é melhor? Confira as respostas dessas e outras questões que têm rondado o assunto.

Qual a real diferença entre os tipo de sinal?

Calma, essa não é uma daquelas perguntas que demandam horas de explicações e complexidades. Na verdade é bem mais simples do que se pode imaginar.

Você já viu serviços como o Netflix e o Youtube que permitem “jogar” o seu conteúdo do celular ou tablet para a TV? Uma das diferenças do sinal digital para o analógico é a possibilidade de convergência de mídias, que permite a constante transferência de dados. Além disso, o espectador pode ser mais interativo com os programas de TV, como por exemplo, responder instantaneamente às enquetes, etc. algo bem próximo do que já ocorre nas lives transmitidas pela internet, de modo geral.

Vantagens                                                                         

Se o sinal analógico apenas propaga áudio e vídeo, a televisão digital (DTV) dá margem para a ampliação das mídias convergentes anteriormente citadas. Sem contar o som e a imagem de maior qualidade - passou de 480x360 pixels para 704x480 pixels.

Outra vantagem da novidade é que se antes a comunicação funcionava de um modo: um para todos, agora poderá ser bidirecional, o que permite que o espectador, de fato, seja ouvido pelas emissoras em si e opine ativamente – e com chance de escuta – sobre determinados temas e assunto.

Leia também: TV digital: 86% dos domicílios de São Paulo estão preparados para transição

O que fazer para receber a novidade?

Caso o seu aparelho tenha sido fabricado após 2010 é praticamente certo que o seu televisor tenha capacidade de receber a novidade.

Mas se a sua TV é um pouquinho mais antiga, não tem problema, o sinal se molda para todos os aparelhos. Entretanto se a sua televisão é de tubo, para receber o sinal é preciso um conversor externo na entrada de vídeo, por meio de um cabo RCA. Além disso, também é necessária a instalação de antena UHF e conectá-la no aparelho ou no conversor.

Vale ressaltar que nem todas as TVs, que possuem tela fina, têm porte para receber o novo sinal , e caso ela não se enquadre, os mesmos procedimentos citados para a o aparelho de tubo devem ser feitos nesta.

Quem precisa do conversor digital externo?

Se você pretende aproveitar a onda da digitalização para trocar de aparelho, procure por aqueles que possuem o selo DTVi.

Já se você quer continuar com o mesmo televisor e não sabe quais aparelhos necessitam do conversor externo (ou set top box), confira aqui os casos que se encaixam na demanda: os televisores de LED, LCD ou plasma que não possuem conversor, as TVs de LCD, LED ou plasma que possui o conversor, mas que não têm middleware Ginga embarcado e todos os aparelhos de tubo.

Sobre a antena UHF (interna ou externa), esta deverá ser adquirida por todos que se encaixam nos casos citados. Vale ressaltar que a melhor escolha varia de acordo com a localização da residência – distante ou próxima da torre de transmissão.

E os kits gratuitos?

Muito se falou que as famílias de baixa renda terão direito ao kit gratuitamente. Mas como essas devem fazer para retirá-los?

Bom, não são todos os beneficiários dos programas sociais que têm direito ao kit. Para checar se a sua família é uma das que estão inclusas na proposta do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, basta realizar uma consulta no neste site  ou ligar para o número 147.

A retirada dos kits de TV Digital para as pessoas que residem na cidade de São Paulo está sendo feita em 54 Centros de Referência de Assistência Social (CRAS). Além da distribuição, os CRAS também estão prestando atendimentos para consultas e retiradas de dúvidas.

De acordo com uma nota divulgada nesta terça-feira (28) pelo site da Anatel, até a próxima quarta-feira, cerca de 1,2 milhão de kits devem ser distribuídos pela Grande São Paulo.

Segundo o panorama da Anatel, 91% das famílias inscritas no programa Bolsa Família já contam com o sinal digital de canais abertos. Enquanto que nos outros programas o total é de 89%.

Vale ressaltar, que após o desligamento (29), por mais 30 dias haverá uma cartela informativa – nos canais abertos – a respeito do fim das transmissões analógicas e o início da era da TV Digital.

Leia também: TV digital: saiba como se preparar para o fim do sinal analógico

 *Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.