Tamanho do texto

Novo dispositivo de realidade aumentada do Google busca simplificar tarefas de profissionais; aparelho ainda ganhou avanços no processador e na bateria

Considerado um dos produtos com pior retorno dos usuários após ser lançado por uma gigante da tecnologia, o visor de realidade aumentada Google Glass voltartá a ser comercializado. Se na apresentação original, o item era voltado para o usuário final, desta vez, o foco está no setor corporativo, que poderá comprá-lo e personalizá-lo de acordo com as suas necessidades. O relançamento também traz melhorias para o dispositivo.

Leia também: Conheça as 10 ideias tecnológicas mais loucas que o Google já teve

A nova versão do Google Glass , batizada com o rótulo Enterprise Edition, ficou um pouco mais leve e possui um encaixe melhor tanto com óculos de grau, quanto com os de proteção. Além disso, o aparelho apresenta avanços em seu processador e em sua bateria, que agora dura por até oito horas. Algumas empresas já estão usando o visor para desenvolver ferramentas corporativas. Entre elas a Augmedix, que criou uma versão específica para médicos acessem informações de forma rápida enquanto atendem a seus pacientes.

Solução para o Google Glass criados por parceiros permite que profissionais acessem informações rapidamente
Divulgação
Solução para o Google Glass criados por parceiros permite que profissionais acessem informações rapidamente

Leia também: "Quase todos os carros serão autônomos em dez anos", projeta Elon Musk

A Upskill utilizou o visor para oferecer instruções em vídeo e áudio para mecânicos da área de aviação da General Electric. O objetivo é permitir que os profissionais não precisem sair do lugar quando precisam de ajuda. Já a Ubimax criou uma solução para a empresa de logística DHL para tirar informações sobre entregas do papel e colocá-las no aparelho do Google. Segundo os desenvolvedores, a eficiência da empresa aumentou em 15% após a mudança.

O anúncio de uma nova versão do visor pode ser uma boa saída para a fabricante. Como lembra o "Verge", quando foi lançado, em 2013, o dispositivo estava um pouco à frente do tempo e não conseguiu demonstrar sua utilidade para o usuário final. O resultado ficou tão abaixo do esperado que o projeto foi descontinuado em 2015 para voltar a uma fase de desenvolvimento pensando justamente nas empresas.

Google Glass ganhou melhorias em seu processador e em sua bateria, que agora dura até oito horas
Divulgação
Google Glass ganhou melhorias em seu processador e em sua bateria, que agora dura até oito horas

Leia também: Saiba como identificar se você está pagando um valor justo por sua internet fixa

Ainda de acordo com o site, a mudança do foco para o setor corporativo, que já era vista como a melhor alternativa em 2015, quando o Google divulgou seus planos para o projeto, se mostra ainda mais indicada após a empresa conseguir parceiros interessados em criar novas soluções baseadas no Google Glass que atendam às necessidades do dia a dia de hospitais, fábricas, depósitos, entre outros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.