Tamanho do texto

Em comunicado, plataforma afirmou que 83% dos vídeos identificados como ofensivos foram removidos antes de denúncias manuais feitas por usuários

O Youtube pretende seguir investindo para combater a divulgação de conteúdos online por grupos terroristas . Em comunicado publicado em seu blog, a plataforma afirmou que admitiu que sua inteligência artificial cometeu erros em sua tarefa de identificar vídeos extremistas e reafirmou o compromisso de adotar medidas em relação aos vídeos corretos.

Leia também: YouTube "copia" Facebook e testa reprodução automática de vídeos no Android

Segundo o YouTube , 83% dos vídeos removidos por extremismo sofreram algum tipo de ação antes mesmo de serem denunciados por seres humanos. O resultado representa um crescimento de oito pontos percentuais desde agosto. Além disso, as equipes da plataforma revisaram manualmente mais de um milhão de vídeos impróprios. A estratégia, no entanto, trouxe consigo falhas, como a classificação de vídeos jornalísticos como  extremistas.

YouTube admitiu que sistema de inteligência artificial cometeu erros ao tentar identificar vídeos ofensivos
shutterstock
YouTube admitiu que sistema de inteligência artificial cometeu erros ao tentar identificar vídeos ofensivos

Leia também: YouTube altera algoritmo de buscas para evitar teorias conspiratórias

"Sabemos que podemos ser melhores e estamos comprometidos em garantir que nossas equipes estejam tomando atitudes em relação ao conteúdo correto. Estamos trabalhando em formas de educar aqueles que compartilham vídeos destinados a documentar ou expor a violência sobre como adicionar o contexto necessário", afirmou.

Em agosto, criadores de conteúdo do site afirmaram que reportagens, pequenos documentários e até mesmo seus canais foram removidos por inteiro por veicularem conteúdo informativo sobre o terrorismo , ainda que os grupos extremistas tenham sido apresentados de forma negativa. Desde junho, a plataforma e outros serviços do Google vêm intensificando as ações de combate à divulgação de conteúdos extremistas.

Em setembro, o Google anunciou o investimento de US$ 5 milhões para soluções tecnológicas e projetos voltados para os mais jovens que ajudem a "criar um sentido de comunidade e promover a resistência à radicalização". Em sua publicação, a plataforma defendeu o fim da difusão de materiais extremistas na internet. "Continuaremos a investir significativamente na luta contra a propagação, fornecendo atualizações aos governos e colaborando com outras empresas", declarou.

A batalha do YouTube contra o terrorismo se intensificou no início desse ano, após empresas se queixaram por terem seus anúncios exibidos ao lado de vídeos ofensivos . Na ocasião, companhias como HSB e Marks & Spencer decidiram remover as campanhas voltadas para o mercado britânico, o segundo maior do Google fora dos Estados Unidos.

* Com informações da Ansa.

    Leia tudo sobre: YouTube
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.