Tamanho do texto

Sabatina aconteceu na última terça-feira e teve duração aproximada de 90 minutos; o formato do depoimento foi criticado pelos deputados, uma vez que permitiu ao CEO do Facebook escolher o que responderia ou não

Brasil Econômico

CEO do Facebook confirmou que iria ao Parlamento Europeu na quarta-feira (16)
shutterstock
CEO do Facebook confirmou que iria ao Parlamento Europeu na quarta-feira (16)

O CEO e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg , se apresentou ao Parlamento Europeu nessa terça-feira (22) para prestar depoimento acerca do vazamento de dados de milhões de usuários envolvendo a empresa britânica Cambridge Analytica . O encontro aconteceu após dois meses do convite oficial do presidente da casa, Antonio Tajani.

Leia também: YouTube vai lançar serviço de streaming para concorrer com Spotify e Apple Music

Repetindo o discurso emitido em abril ao Congresso dos Estados Unidos, o executivo se desculpou em Bruxelas, na Bélgica, por não ter construído mecanismos capazes de impedir que uma fake news , interferência estrangeira nas eleições ou que desenvolvedores utilizassem de forma indevida as informações dos usuários do Facebook .

“Não tivemos uma visão ampla o suficiente de nossas responsabilidades, o que foi um erro. Sinto muito”, disse Zuckerberg.

Democracia em cheque

A sabatina no Parlamento Europeu aconteceu após o uso indevido de dados coletados na rede social pela Cambridge Analytica. Foi calculado que a empresa britânica tenha utilizado inadequadamente as informações de pelo menos 81 milhões de usuários, sendo que 2,7 milhões dessas pessoas são europeias, para fins políticos. A empresa trabalhou para a campanha de Donald Trump, presidente eleito nos EUA em novembro de 2017.

Em relação a essa interferência, Tajani disse que a democracia não deve e não pode ser transformada em uma operação de marketing em que aqueles que tomam posse de nossos dados [usuários] adquirem vantagens políticas.

“Há um risco de que alguns partidos e até mesmo as potências estrangeiras usem indevidamente esses dados para alterar os resultados das eleições de acordo com seus respectivos interesses”, avaliou o presidente do Parlamento.

Leia também: Android P vai te ajudar a economizar bateria e dormir mais cedo; entenda como

Novas perspectivas

Além do vazamento de dados, a rede social do CEO tem sido duramente criticada por disseminar  fake news e, sobre isso, Zuckerberg apenas repetiu as desculpas pelo erro cometido.

“Levará tempo, mas estou comprometido em impedir que isso aconteça novamente. Nos próximos anos, haverá mudanças importantes na plataforma. Vamos criar mais instrumentos de inteligência artificial para identificar contas falsas e aumentar a transparência”, respondeu de forma indireta.

Durante a sabatina, o executivo também confirmou a duplicação do número de funcionários relacionados à segurança, fazendo com que o setor da empresa atingisse o número de 20 mil trabalhadores. Zuckerberg revelou que o investimento já trouxe impacto significativo nos lucros, mas que a segurança dos usuários é a prioridade da plataforma.

Diante da aspa, Tajani disse que vai acompanhar de perto se as promessas serão cumpridas.

Diferente da sabatina que aconteceu em abril nos EUA , o formato escolhido pelos deputados do Parlamento Europeu foi de um bloco inteiro de perguntas para que, depois, o executivo respondesse de uma única vez os questionamentos.

A sessão durou aproximadamente uma hora e meia, enquanto que, no Congresso estadunidense, a sabatina teve duração de dois dias com sessões de cinco horas cada uma.  

Leia também: Mais um! Teste de personalidade do Facebook expôs três milhões de usuários

Desta forma, o presidente do Comitê de Esportes e Mídia da Cultura Digital do Parlamento do Reino Unido, Damian Collins, avaliou que o formado beneficiou o CEO, já que permitiu a Zuckerberg escolher o que responderia ou não sobre o uso inadequado dos dados dos usuários do Facebook .

*Com informações da Agência Ansa

    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.