Tamanho do texto

Tecnologia chegou recentemente no Brasil a um preço bastante alto; entenda como a resolução funciona e descubra se é melhor comprar agora ou esperar

As TVs 4K mal começaram a se popularizar nos lares brasileiros e uma nova tecnologia chegou para te deixar ainda mais confuso na hora de trocar de televisor. A primeira TV 8K começou a ser vendida por aqui em abril deste ano e, desde então, está deixando muita gente em dúvida se vale a pena ou não investir na resolução.

Leia também: Está pensando em comprar uma TV 4K? Veja os benefícios desse televisor

TV 8K
shutterstock
A TV 8K ainda é recente no Brasil, mas no Japão, onde a tecnologia foi criada, já existe um canal próprio para conteúdo 8K

Antes de saber se a TV 8K deve ser sua próxima aposta, é preciso entender o que esse tipo de tecnologia significa. A última e mais avançada inteligência em termos de resolução apresenta imagens de 33 milhões de pixels (7680 x 4320 pixels), ou seja, quatro vezes mais que os modelos 4K (3840 x 2160 pixels) e 16 vezes mais que os televisores Full HD (1280 x 720 pixels).

Para se ter uma ideia, é como se você estivesse vendo um painel com quatro TVs 4K ou 16 TVs Full HD. Isso significa que o consumidor conseguirá ver muito mais detalhes nas imagens e terá a sensação de realidade perfeita, com contornos mais precisos, textura mais detalhada e maior profundidade nas cenas. 

Parece promissor, não? E é mesmo - se não fosse por alguns detalhes que podem ser determinantes na hora de passar o cartão de crédito para adquirir um produto como esse. Por isso, na hora de avaliar se a compra de uma TV 8K é o melhor negócio para você, é importante levar em conta quatro fatores determinantes: conteúdo, upscaling, espaço e preço.

Existe conteúdo disponível em 8K?

TV 8K
shutterstock
A diferença entre as resoluções é medida pela quantidade de pixels que cada tecnologia apresenta

Ainda não. Por ser uma tecnologia muito nova, os grandes produtores de filmes, séries, novelas e programas ao vivo não oferecem conteúdo nesse tipo de resolução. E, mesmo que algumas poucas produções tenham sido feitas em 8K, a maioria das plataformas de streaming, como Netflix e Amazon, ainda estão se esforçando para lançar conteúdos em 4K.

Além disso, a produção de conteúdo para a resolução 8K é bastante desafiadora, pela quantidade de detalhes capturada. No Japão, pioneiro da tecnologia, já existe um canal de transmissão apenas para esse tipo de conteúdo, mas para se ter acesso é preciso de um aparelho de TV, satélite e até caixas de distribuição diferenciadas. Haja investimento!

Leia também: TV aberta é principal fonte de entretenimento de pessoas que moram sozinhas

Upscaling resolve, mas ainda assim não é o bastante

Pessoa assistindo TV
shutterstock
Você pode assistir conteúdos que não foram feitos em 8K em melhor resolução com a ajuda do upscaling

Já que o conteúdo em 8K nativo ainda está em expansão, o upscaling pode ajudar - mas não resolve. A tecnologia utilizada em televisores e reprodutores para simular a imagem em uma resolução mais alta do que originalmente é faz muita diferença.

Presente em muitas TVs 4K, ela ajuda a evitar aquela borda preta enorme ao redor de filmes em 1080p, por exemplo, e “refina” cenas daquele seu programa de TV por assinatura filmado em HD. No modelo da Samsung, essa “conversão” acontece em tempo real, cena por cena, consultando um banco de imagens por categorias na memória interna.

Dessa forma, as imagens são usadas como referência para completar os pixels faltantes, fazendo com que o usuário possa conferir o conteúdo, independente da fonte nativa ( HD , Full HD, 4K, entre outras) em qualidade próxima da resolução 8K. Detalhes e texturas perdidas pela baixa resolução serão recriadas graças a esse processador com tecnologia inovadora.

A TV 8K exige espaço, mas nem tanto

TV 8K
Reprodução/Samsung
As TVs 8K costumam ser maiores, com modelos de, no mínimo, 65 polegadas - e podem chegar até 82 polegadas

Ao mesmo tempo que você vai precisar de espaço (porque as TVs são grandes), você também não precisa (porque é possível aproveitar o melhor do recurso 8K mesmo estando próximo ao aparelho).

Explicando: a tecnologia propicia aparelhos maiores para que a experiência em altíssima qualidade seja melhor aproveitada, sendo necessário uma TV de, no mínimo, 65 polegadas - o único modelo disponível no Brasil, da Samsung, também conta com opções de 75 e 82 polegadas.

No entanto, graças à quantidade de pixels por polegada da TV 8K eles não se expandem para cobrir toda a extensão de telas. Pelo contrário, eles permanecem compactos, praticamente invisíveis à distância. O que significa que, para enxergá-los, é preciso basicamente colar o rosto à tela.

Investimento vai ser alto (bem alto!)

cofrinho
shutterstock
Se você pretende comprar uma TV 8K por aqui, terá que desembolsar, no mínimo, R$ 22.999

Como já dito antes, a única TV 8K vendida por aqui é o modelo Q900 da Samsung, que pode ser encontrada por R$ 22.999, no menor tamanho, de 65 polegadas. Mas, se você quiser uma experiência ainda mais profunda, vai ter que desembolsar R$ 64.999 para conseguir uma TV de 82 polegadas na sua sala.

Leia também: Saiba como funciona a YouTube TV e tire suas dúvidas

Se quiser comparar com a tecnologia 4K, um modelo de 65 polegadas da mesma marca pode sair por menos da metade do preço (R$ 8.999). Além de mais barata, os aparelhos 4K, inclusive, podem ser a melhor opção para a maioria dos consumidores médios, já que é o suficiente para aproveitar o avanço da resolução com o que já existe de mais tecnológico disponível no mercado - pelo menos por enquanto.