Tamanho do texto

Para os clientes que estão fora de São Paulo, a marca promete que o site oficial estará disponível em breve; preços dos produtos não anima clientes

Depois de 3 anos desde sua breve passagem pelo Brasil, a fabricante chinesa de produtos eletrônicos Xiaomi finalmente volta às terras tupiniquins e inaugura, neste sábado (1), sua primeira loja física no País.

Leia também: Boatos sobre o novo iPhone: aparelho pode ter dupla conexão Bluetooth para áudio

Nova loja da Xiaomi no Brasil
Marina Teodoro/iG Tecnologia
Loja da Xiaomi é inaugurada neste sábado (1) em São Paulo e conta com mais de 120 itens disponíveis para venda

A Mi Store Brasil fica localizada no Shopping Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo, e conta com aproximadamente 120 itens, o que representa boa parte do catálogo da  Xiaomi comercializado no exterior.

Os entusiastas de tecnologia poderão aproveitar a loja que, para os padrões de um shopping, é relativamente grande. Com balcões na entrada dedicados aos aparelhos celulares e outros produtos dispostos nas paredes do espaço, o estabelecimento segue o padrão minimalista da marca.

Há também áreas dedicadas para uma experiência sensorial e interativa aos clientes. Quem passar por lá vai poder conhecer o “Ecossistema Xiaomi” de perto e descobrir que a marca produz muito mais do que celulares.

Entre os outros objetos estão smartwatches, robô de limpeza, escova de dente elétrica, luminárias inteligentes de LED, patinetes elétricos, headphones, mochilas, malas de viagem, câmera 4K e de segurança, power banks e outras novidades.

Leia também: Power bank x capa carregadora: veja qual a melhor opção de carregador de celular

Para comemorar a abertura da loja da Xiaomi , a empresa está oferecendo descontos de 10% nos produtos na data da inauguração. Alguns outros itens também estão sendo vendidos com descontos específicos, como o Redmi Note 7 (64gb + 4gb RAM), no valor de R$ 1.299 para os 300 primeiros compradores.

Os 100 aparelhos Mi 9 (128gb + 6gb RAM), também estão mais baratos e vão ser comercializados a R$ 2.799, limitado a um smartphone por pessoa.

Para aproveitar tudo em primeira mão, muita gente chegou no dia anterior, como o gerente de food truck Luis Fernando Modesto, de 36 anos. Segundo ele, às 22h da sexta-feira (31) entrou na fila e recebeu uma pulseira com o número 47 para conseguir entrar na loja. "Estou ansioso para conhecer”, conta ele, que veio para comprar o Mi 9.

Na manhã deste sábado, a fila para visitar a Mi Store  dava a volta no quarteirão do shopping antes mesmo das 9h da manhã - 1h antes da abertura da loja. A expectativa da organização da empresa é de que 5 mil pessoas visitem o local.

“Estamos muito otimistas com a operação da loja física, assim como em relação aos demais canais de venda. Será importante para que os consumidores brasileiros possam conhecer as novidades, com uma oportunidade única para uma verdadeira imersão tecnológica com alguns dos produtos eletrônicos mais desejados do mundo”, reforça Luciano Barbosa, Head do projeto Xiaomi no Brasil.

Preços não animam consumidores

Celular em um balcão na loja da Xiaomi
Marina Teodoro/iG Tecnologia
Apesar da variedade de produtos, os preços são altos

Apesar da variedade de produtos, quando o assunto é preço, o consumidor pode sair da loja um pouco frustrado. Para quem está acostumado a importar, os preços podem ser muito superiores aos encontrados no exterior, isso porque é preciso levar em conta os impostos brasileiros e outros custo de operação da marca no Brasil.

"Achei caro. Não vi muita vantagem comprar na loja pelo valor. Esperava mais promoções", fala o designer João Rabello, de 28 anos, que queria levar um celular e outros acessórios para o aparelho, mas vai voltar para casa com apenas o telefone.

Mesmo com o preço promocional, o Mi 9 está R$ 2.799; a Mi Band 3 sai por R$ 199; a Mi LED Smart Bulb – lâmpada inteligente – está sendo vendida a R$ 179 e o guarda-chuva Mi Automatic Umbrella, por R$ 200.

Quem está disposto a investir em novas tecnologias pode apostar no patinete elétrico (R$ 3.999), no robô aspirador de pó (R$ 2.999) ou no projetor 4k a laser (R$ 19.999).

Vantagens para o consumidor

Loja da Xiaomi
Marina Teodoro/iG Tecnologia
Com a loja da Xiaomi no Brasil, o consumidor poderá contar com segurança e suporte técnicos garantidos

Ainda assim, comprar na loja pode ser mais vantajoso por conta da segurança e do suporte técnico garantidos. Se tivesse esperado um pouco mais para comprar seu celular, o estudante Raul Machado, de 22 anos, poderia aproveitar esses benefícios.

Em dezembro do ano passado, quando decidiu adquirir seu primeiro produto da marca, depois de muita pesquisa na internet ele optou por comprar direto da China, o que fez com que levasse um mês e meio para ter o aparelho nas mãos.

"Comprei o celular em novembro e chegou no Natal. Na época, lembro que economizei cerca de R$ 200". Mas, apesar do dinheiro poupado, Raul lembra que temeu pela segurança do aparelho.

"Meu medo era ele vir danificado por conta da viagem, ser extraviado, ou quando chegasse aqui no Brasil, fosse taxado com um valor maior. Além disso, [por ser um produto importado] a Receita Federal poderia demorar muito para liberar e eu esperar ainda mais para receber", conta.

Agora, com a loja física, além da facilidade de retirar o produto na hora, os clientes contarão com suporte técnico. Segundo o Grupo DL, que segue como distribuidor oficial da Xiaomi no Brasil, inclui a execução do pós-venda completo dos produtos por meio de suporte técnico especializado.

A garantia é válida em todo o Brasil e há emissão de nota fiscal em todos os canais: varejo físico, e-commerce Xiaomi e loja autorizada. 

Leia também: Computador ou carro? Novos computadores da Apple têm preços de cair o queixo

Para quem não mora em São Paulo e também quer aproveitar as facilidade da loja, a empresa informou que, em breve, o site da Xiaomi  estará disponível para compras on-line.