Google arrow-options
Divulgação/Allisson Roberto
Alunos da rede municipal de Barueri já usam ferramentas tecnológicas em sala de aula


Escolas de diversos estados brasileiros estão fechando as portas devido à pandemia do novo coronavírus . Em uma tentativa de diminuir o contágio, alguns governos decretaram o fechamento de unidades estaduais, municipais e privadas. 

Na cidade de Barueri, na região metropolitana de São Paulo, não foi diferente, e as aulas serão oficialmente suspensas na próxima segunda-feira (23). Mas, mesmo de casa, os alunos da rede municipal terão a oportunidade de continuar estudando. 

Leia também: Criançada em casa? Spotify lança versão kids do aplicativo

É que, desde o ano passado, a prefeitura de Barueri faz uso do Google for Education , solução educacional da gigante que leva tecnologia para dentro e fora das salas de aula. Em um momento de crise como o atual, os professores conseguem adicionar conteúdos nas plataformas, permitindo que os alunos tenham acesso de onde estiverem. 

O que é o Google for Education

O Google for Education é uma somatória de diversos serviços tecnológicos customizados para o uso na educação. Na parte de software , alguns aplicativos são utilizados. Além dos conhecidos Drive , Gmail e Agenda , também faz parte do ecossistema o Classroom , plataforma que funciona como uma sala de aula virtual. Tudo isso compõe o G Suite for Education , serviço disponibilizado de forma gratuita pelo Google a qualquer unidade educacional. 

Na questão do hardware , também fazem parte do Google for Education os Chromebooks , notebooks personalizados para o uso em sala de aula. Hoje, mais de 90 milhões de alunos e professores utilizam a plataforma G Suite for Education em todo o mundo, e mais de 40 milhões utilizam o Google Classroom. 

Leia também: Veja 5 dicas para proteger as crianças online

Só em Barueri, mais de 46 mil alunos e quase 2.500 professores fazem uso dos Chromebooks , e cerca de 12 mil óculos de realidade virtual foram adquiridos pela prefeitura. Além disso, redes Wi-Fi foram adicionadas em todas as escolas do município. 

Tecnologia em prol da educação

“Eu já não consigo imaginar como seria a educação sem o uso da tecnologia”, conta Flávia Moreno, Secretária de Educação de Barueri. Em um momento de crise como o atual, Flávia agradece por já ter um sistema tecnológico consolidado na rede educacional , o que permite que professores e alunos continuem em contato, mesmo que à distância. 

Google arrow-options
Divulgação/Allisson Roberto
Alunos usando Chromebooks em sala de aula


“Os alunos já têm acesso e hábito no uso da tecnologia como uma ferramenta para a educação. Quanto aos professores, como já receberam formação desde o ano passado, hoje dá para a gente pedir para eles fazerem o upload de uma atividade lá no Google Classroom, que ele sabe o que a gente está pedindo e vai executar sem dificuldade”, afirma a Secretária. 

O plano da Secretaria de Educação de Barueri para o momento é incentivar que alunos continuem estudando durante o período em que terão que estar em casa devido ao novo coronavírus . Durante esta semana, na qual as escolas funcionam em ritmo desacelerado, os professores foram orientados a organizarem o material digital disponibilizado e acrescentar novas atividades na plataforma. 

Leia também: Vale a pena monitorar o celular dos filhos? Entenda os apps de controle parental

Flávia conta que, através do sistema do Google for Education , eles conseguem obter informações como quais alunos acessaram determinado conteúdo, quanto tempo permaneceram logados e qual foi o rendimento nas atividades. 

A Secretária sabe, porém, que há limitações na educação à distância, como o fato de que nem todos os jovens têm acesso à internet em suas casas . “Vai ser também uma boa medida do real acesso que esses alunos têm em casa. A partir daí, a gente vai poder, inclusive, pensar em outras políticas públicas. Quem são os alunos que não têm internet e o que a gente pode fazer por eles?”, diz. “E para aqueles alunos que não têm acesso à internet, só frisamos a ideia de que eles revejam os conteúdos em livros didáticos e cadernos”, reforça.

Tecnologia deve ser usada apenas em momentos de crise?

É claro que, em um momento de isolamento, a tecnologia é de grande ajuda para conectar alunos e professores. Além do Google Classroom mencionado por Flávia, a equipe da assessoria de imprensa do Google for Education lembra também que é possível engajar alunos através de vídeos no YouTube , além de fazer videoconferências via Hangouts Meet

Leia também: Está fazendo home office? Google libera opções de videoconferência gratuitamente

Para as escolas que ainda não possuem o hábito com a tecnologia , o Google afirma que é possível aprender rapidamente e se adaptar a um novo contexto. “As ferramentas do Google for Education são simples, acessíveis e fáceis de usar, e por isso podem ser utilizadas tanto por escolas com maior afinidade com a tecnologia quanto por educadores e líderes que estão dando seus primeiros passos”, diz a assessoria do Google for Education. Além disso, a empresa afirma que disponibiliza tutoriais completos de como utilizar a plataforma. Na próxima terça-feira (24), por exemplo, o Google  fará uma transmissão ao vivo para ensinar estratégias de educação à distância.

Para Flávia, porém, o bom uso da tecnologia em um momento como o atual é consequência de um uso prévio no cotidiano escolar. “Eu creio que essa seja a diferença que coloca Barueri em uma condição privilegiada. O que a gente está propondo não é uma novidade, a gente só está pedindo para que eles continuem a fazer o que eles já estavam fazendo”, afirma a Secretária. “Nossos alunos já entenderam que os dispositivos não servem só para acessar a rede social, que eles podem, sim, ajudá-los na educação”, continua.

Além de preparar para momentos de crise, o uso da tecnologia em sala de aula já rendeu frutos muito positivos para a rede municipal de Barueri. Flávia conta que o encantamento com as novidades deixou os alunos e professores mais engajados durante as atividades escolares, e que o senso de cuidado e compromisso com os dispositivos eletrônicos do coletivo foram aflorados nos pequenos.

“Houve também o desenvolvimento do protagonismo, porque esses alunos passaram a se tornar mais atuantes, uma vez que eles também têm conhecimentos para dividir com os professores a respeito das tecnologias, afinal eles são cidadãos digitais. Então os primeiros ganhos vieram nesse sentido: engajamento, frequência, envolvimento, um resgate do prazer em estar na escola. Aí o ganho consecutivo foi a aprendizagem. Dados de aprendizagem do município tiveram uma crescente”, comemora a Secretária.

    Veja Também

      Mostrar mais