Twitter
Unsplash/Yucel Moran
Twitter é acusado de racismo por usuários

A ferramenta de corte automático de fotos no Twitter gerou polêmica nesse final de semana. Usuários da rede social começaram a fazer testes e perceberam que o algoritmo parece favorecer pessoas brancas a pessoas negras. 

A ferramenta de corte inteligente do Twitter foi lançada em 2018 e, na ocasião, a empresa disse que sua inteligência artificial foca nas partes "salientes" das imagens para realizar o corte. "Em geral, as pessoas tendem a prestar mais atenção a rostos, textos, animais, mas também a outros objetos e regiões de alto contraste", definiu a rede social, sem entrar em muitos detalhes. 

Desde então, muitas pessoas têm tentado descobrir o que o algoritmo destaca. Neste final de semana, várias delas perceberam que pessoas brancas são favorecidas. Em testes, os usuários começaram a publicar imagens com homens brancos e homens negros. Independente da ordem em que eles estavam na imagem original, o corte sempre focava no rosto do homem branco. 

Em alguns testes, os internautas colocaram uma imagem vertical com um homem branco, um espaço e um homem negro. Na seguinte, com a ordem trocada. Em ambos os casos, o corte privilegiou o homem branco. Outros exemplos foram além: uma imagem com 11 rostos negros e um branco foi publicada, e o corte focou no único homem branco. Veja alguns exemplos abaixo (as imagens completas podem ser vistas clicando sobre o corte).





O que diz o Twitter

O CDO do Twitter, Dantley Davis disse estar incomodado com o que os usuários descobriram. "Estou tão irritado com isso quanto todo mundo. No entanto, estou em posição de consertar isso e irei", tuitou.

"Isso é 100% nossa culpa. Ninguém deveria dizer o contrário. Agora, o próximo passo é corrigir isso", disse em outra publicação. Dantley ainda afirmou que o caso está sendo investigado. 

Em nota, o  Twitter disse que terá que fazer novas análises. Confira o posicionamento oficial:


    Veja Também

      Mostrar mais