Hackers usam nomes de lojas famosas para enganarem consumidores
Unsplash/Mika Baumeister
Hackers usam nomes de lojas famosas para enganarem consumidores

Os ataques de phishing que simulam páginas de pagamento online cresceram 208% antes da Black Friday. O aumento foi notado entre os meses de setembro e outubro de 2021 e os dados estão presentes no relatório "Black Friday 2021: como fazer compras sem cair em armações", da empresa de cibersegurança Kaspersky, divulgado nesta semana.

Na maior parte dos casos, os cibercriminosos criam sites falsos que imitam as maiores varejistas e sites de pagamento, com o objetivo de enganar os consumidores.

De acordo com o relatório, os fraudadores estão se aproveitando de novas formas de pagamento, como Pix e WhatsApp Pay, para usá-las de isca para os golpes.

"Sempre observamos uma intensificação das fraudes no período da Black Friday, mas pode-se dizer que é até um pouco surpreendente toda a atenção dada aos sistemas de pagamento online", afirma Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Além disso, campanhas de spam foram detectadas com o tema da Black Friday. Entre 27 de outubro e 19 de novembro, a Kaspersky identificou mais de 220 mil e-mails maliciosos ativos contendo o termo "Black Friday". As empresas que mais tiveram seus nomes usados como isca durante 2021 foram Amazon, eBay, Alibaba e Mercado Livre.

Como se proteger de golpes na Black Friday?

Para se proteger desse tipo de golpe, a principal dica é prestar atenção ao link do site. "Para manter seu dados e dinheiro protegidos, uma prática de segurança importante é verificar se o endereço da página de pagamento online está correto. Os criminosos normalmente criam sites com endereços similares ao verdadeiro. Na dúvida, confira qual o site oficial antes de inserir qualquer dado ou sua senha", aconselha Assolini. Confira algumas dicas:

  • Desconfie de promoções boas demais recebidas por e-mail, WhatsApp, SMS ou redes sociais;
  • Não clique em link de mensagens, mas procure pela promoção no site oficial da loja que ela diz ser;
  • Confira o endereço do site e sua ortografia;
  • Se não conhecer a loja, procure por avaliações sobre ela em portais como o Reclame Aqui;
  • Não compartilhe dados pessoais e bancários sem ter certeza de que um site é confiável;
  • Mantenham um bom antivírus instalado e atualizado no seu dispositivo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários